Eduardo Nicolau/AE
Eduardo Nicolau/AE

Luís Fabiano festeja fim de jejum e admite toque de mão

Atacante desencanta e marca dois contra a Costa do Marfim após seis partidas pela seleção sem balançar as redes

ANDRÉ CARDOSO, Agência Estado

20 de junho de 2010 | 17h49

Luís Fabiano estava com saudade do gol. A última vez em que havia marcado pela seleção brasileira havia sido na vitória por 3 a 1 sobre a Argentina, em setembro de 2009, pelas Eliminatórias Sul-Americanas da Copa do Mundo. Desde então foram seis jogos de jejum, quebrado neste domingo, com dois gols no triunfo do Brasil sobre a Costa do Marfim por 3 a 1, em Johannesburgo, pela segunda rodada do Grupo G da Copa do Mundo.

Veja também:

link GALERIA - Imagens do jogo do Brasil

especial CRONOLOGIA: Copa, dia a dia

tabela TABELA - Jogos | Classificação | Simulador |

"Venho lutando, treinando, e o gol não queria sair. Mas insisti porque sabia que na hora certa ia acontecer. E quando sai um, sai vários", afirmou Luís Fabiano, eleito pela Fifa o melhor jogador do confronto.

O centroavante atribuiu ao técnico Dunga sua melhora com relação ao jogo de estreia, contra a Coreia do Norte, em que teve atuação apagada e desperdiçou a única chance de gol que teve.

"Acho que ter a confiança do treinador e dos companheiros é fundamental para não desanimar. O Dunga sempre conversa comigo e me deixa tranquilo. Ele sabia que eu vinha trabalhando. Vim de um tempo parado e não cheguei 100%, mas foi importantíssimo a confiança de todos", disse, lembrando da lesão muscular na coxa que sofreu em maio, a um mês do início da Copa.

Luís Fabiano admitiu que tocou com a mão na bola antes de marcar seu segundo gol contra os marfinenses. "Foi uma mão involuntária, mão santa, mão de Deus. Mas, como foi involuntária, valeu a pintura do gol", disse sorridente.

Durante o jogo, uma das câmeras da Fifa flagraram o árbitro Stephane Lannoy dirigindo-se a Luís Fabiano aparentemente perguntando ao brasileiro se ele havia tocado com a mão na bola. O centroavante respondeu batendo a mão no peito.

Um detalhe curioso é que, na comemoração do primeiro gol, ele fez o número seis com as mãos em homenagem ao sexto aniversário de sua filha.

O camisa 9 brasileiro é agora vice-artilheiro do Mundial com dois gols, juntamente com Elano, o ganês Gyan e o uruguaio Forlán, atrás somente do argentino Higuaín, que tem três.  

 

 

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.