Luís Fabiano mostra que é bom moço

Quem disse que Luís Fabiano é indisciplinado, encrenqueiro? É o que muita gente pensa, e com razão, por causa de seu histórico negativo em campo, com excesso de cartões e reclamações. O artilheiro do São Paulo sabe que, para se manter na seleção e realizar o sonho de jogar num grande clube da Europa, terá de pôr a cabeça no lugar e mudar essa imagem. É o que vem tentando fazer.O novo Luís Fabiano, versão 2004, bom moço - pelo menos até agora - e menos nervoso, mostra, aos poucos, seu outro lado, carinhoso e preocupado com o aspecto social. Nesta quinta-feira, abraçou e beijou vários velhinhos, pacientemente, distribuiu autógrafos e esbanjou simpatia. O são-paulino, de 23 anos, esteve numa loja da Pizza Hut para divulgar a campanha "Programa Atividade", que dá oportunidade para pessoas com mais de 60 anos trabalharem."Quero mostrar que não sou aquilo que as pessoas imaginam. Fora de campo, não tenho nada a ver com o cara que já fez muitas besteiras nos jogos", explicou o jogador.A história de seu avô, Benedito Clemente, foi o que o motivou a abraçar a causa. Benedito teve o papel de pai para o atleta. Mas, já idoso e sem emprego, não tinha condições de lhe oferecer uma vida confortável. "Ele passava muito tempo dentro de casa", contou Luís Fabiano. Saía para assistir ao neto nos treinos da Ponte Preta, sua equipe de coração. Mas não chegou a vê-lo brilhar no São Paulo e, conseqüentemente, ser convocado para a seleção. "Uma grande frustração para mim foi quase não ter conseguido ajudá-lo, pois ele morreu em 2000, quando eu estava começando a crescer."O projeto é, também, segundo Luís Fabiano, uma forma de homenagear o avô. "Foi emocionante ver a alegria dos idosos com essa chance. Recebi o carinho deles e lembrei-me de meu avô", disse o jogador. "O mais importante não é o dinheiro que vão receber, mas a integração à sociedade."Até agora, a rede de pizzarias norte-americana, que idealizou o projeto, lançado em outubro, contratou 15 idosos e pretende aumentar, em breve, esse número para 30. "É importante que outras empresas também façam parte da campanha", pediu o atacante do São Paulo.Luís Fabiano almoçou com os velhinhos, que já estão trabalhando no processo de produção de pratos ou no atendimento aos clientes. Bateu papo, distribuiu autógrafos e recebeu conselhos. Ganhou um beijinho de todas as simpáticas senhoras e abraço dos ?moços?. Os são-paulinos, é claro, não perderam a oportunidade de pedir a ele que continue fazendo gols - tem a 2ª melhor média da história do clube, perdendo só para Artur Friedenreich. Agora, a única preocupação é repetir, nos jogos, as boas ações que vem fazendo fora de campo. E, para isso, Luís Fabiano conta com o apoio da psicóloga Regina Brandão, com quem continua se encontrando uma vez por semana. No dia 15, embarca rumo a Dublin, onde defenderá a seleção brasileira em amistoso contra a Irlanda, otimista em garantir até o fim do ano uma vaga de titular.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.