Alex Silva e Clayton de Souza/Estadão
Alex Silva e Clayton de Souza/Estadão

Luis Fabiano rebate Jadson após suposta provocação feita no Twitter

Atacante também critica a ineficiência do time diante de adversários defensivos

Paulo Favero, O Estado de S. Paulo

27 de março de 2014 | 18h01

SÃO PAULO - Um dia após a surpreendente eliminação nos pênaltis diante do Penapolense nas quartas de final do Campeonato Paulista, Luis Fabiano deu entrevista coletiva na tarde desta quinta, no CT da Barra Funda, onde, entre outras coisas, rebateu uma suposta provocação do meia Jadson, hoje no Corinthians e seu ex-companheiro de time no Morumbi.

Depois da queda tricolor no Estadual, o meio-campista escreveu em sua página no Twitter a seguinte frase: "Nada como um dia após o outro!!! Hahahaha". Desta forma, ele deixou no ar um clima de provocação ao clube no qual atuou antes de ser envolvido na troca que levou Alexandre Pato ao São Paulo.

Embora Jadson não tenha citado o seu ex-time na mensagem que postou na rede social, Luis Fabiano condenou a atitude do meia corintiano. "Só tenho a lamentar uma declaração deste tipo, isso demonstra que o Jadson tinha dúvidas em relação à partida nossa contra o Ituano. Eu falo a mesmo a coisa, nada como um dia após o outro, a gente ainda vai se encontrar muito, não só com ele, mas com o Corinthians. Eu lamento, pois até outro dia ele estava aqui, era um companheiro nosso e agora 'deixa rolar'", afirmou o atacante.

Já ao falar sobre a desclassificação são-paulina, o jogador admitiu abatimento com o fato. "Não estou feliz com a situação, todo mundo deveria estar triste, e agora não temos como reverter a situação. É difícil até para sair na rua. Essas coisas ficam corroendo, martelando a cabeça, mas temos de superar. Dia 9 temos um jogo importante (contra o CSA, pela Copa do Brasil) e pouco a pouco vamos tentando esquecer essa eliminação", completou.

MESSI E CRISTIANO RONALDO

O desempenho ruim da equipe diante do Penapolense também foi lamentado por Luis Fabiano, que lembrou até dos dois maiores craques da atualidade para enfatizar que o São Paulo precisava ter apresentando uma melhor atuação coletiva na noite da última quarta-feira, no Morumbi.

"Se tivesse Messi ou Cristiano Ronaldo, já ajudaria, mas sozinhos eles não conseguem fazer nada. Antes do jogo com o Penapolense, a gente viu a partida entre Sevilla e Real Madrid e o Sevilla foi lá e ganhou (por 2 a 1, na última quarta, pelo Campeonato Espanhol). Se os 11 jogadores não estiverem em um bom dia, não tem jeito. O futebol não permite esse tipo de coisa. Nós não jogamos o que estamos acostumados e não estávamos em um bom dia. O que me deixa mais triste é não ganhar nos 90 minutos, o que era quase uma obrigação", disse o atacante, para depois fazer um alerta aos seus companheiros.

"A gente precisa aprender a jogar contra times que são muito fechados. Estamos tendo dificuldades nas partidas em que temos menos espaço."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.