Luís Fabiano teme fama de perdedor

Um dia depois da eliminação no Campeonato Paulista, Luís Fabiano era um dos jogadores do São Paulo que se mostrava mais abatido no embarque da equipe, nesta segunda-feira, no aeroporto de Cumbica. O atacante seguiu para a cidade chilena de Calama, onde o São Paulo enfrentará o Cobreloa nesta quarta-feira (21h45), pela Copa Libertadores da América. Os dois times pertencem ao Grupo 4.Com voz baixa, olhando para o chão, o artilheiro confessou seu medo. ?Estou há três anos no São Paulo e não quero sair daqui marcado como alguém que não ganhou nada. Quero um título e nós precisamos mudar nosso jeito para conseguir isso.?Ele continuou evitando a palavra ?pipoqueiro? largamente utilizada pela torcida, mas voltou a criticar a queda de rendimento em partidas decisivas. ?A gente tem de arrumar uma explicação para isso. Todo mundo se esforça, mas quando não pode perder, perde. Quando chega no fim do campeonato, começa a jogar mal. Assim não dá.?Ele respondeu novamente a Serginho, do São Caetano, que o acusou de ser o jogador mais violento do Brasil. ?Esse Serginho quis quebrar o Romário, quis quebrar o Robinho e agora vem falar que sou violento. Ele devia olhar para a carreira dele. Fica me criticando para aparecer.? Os jogadores mostravam no rosto que a desclassificação para o São Caetano abalou muito o time. ?Só consegui dormir às 5h da manhã?, disse Rogério Ceni. O goleiro dizia acreditar na reação do São Paulo. ?O time está em boa situação na Libertadores e não pode se abalar com a derrota.?Para o técnico Cuca, o São Paulo tem obrigação de reagir. ?É hora de mostrar que somos grandes e que podemos nos superar. Não dá para ficar sofrendo com a derrota. Vamos ter cabeça fria para reagir.?Mesmo um dia depois da derrota, ele ainda não se conformava com a maneira como seu time sofreu os dois gols. ?Foi a jogada que mais treinamos e não poderíamos perder o jogo dessa maneira.? Ele assumiu a culpa pela derrota, mas lamentou que Ânderson Lima não tivesse sido expulso.Grafite, um dos jogadores mais vaiados depois do jogo contra o São Caetano, diz que vai fazer de tudo para jogar com tranqüilidade nesta quarta. ?Não vai ser fácil. A gente não pode levar para campo o que aconteceu na partida anterior, mas essa desclassificação foi muito doída. Acho que a torcida está me criticando porque fiz os gols que salvaram o Corinthians. Para mim, foi duro ouvir eles gritarem pipoqueiro, mas foi mais duro ainda ouvir quando gritaram para a gente entregar o jogo para o Juventus.?DEFESA - O presidente Marcelo Portugal Gouvêa fez uma defesa apaixonada de Grafite. ?O que a torcida está fazendo é um absurdo. Como é que se vai crucificar um jogador que cumpriu o seu papel. E se ele não fizesse os gols no Juventus, outro jogador iria fazer. Aliás, essa torcida é a mesma que vaiou o Kaká. O que eles falariam sobre o Kaká agora, que está arrebentando no futebol da Itália??Gouvêa considera que o time precisa de um volante criativo, que dê seqüência às jogadas. ?Com alguém desse nível o futebol de nossos meias cresceria bastante. Estamos abertos para uma negociação desse tipo.? O São Paulo tem nove pontos e saldo de um gol na Libertadores. A LDU também tem nove pontos, mas saldo de sete gols. Como os dois líderes não se enfrentam mais, é muito difícil que o São Paulo fique em primeiro lugar no Grupo 4, se depender de saldo de gols. Precisa fazer mais pontos que a LDU. ?Tenho certeza que eles vão se enroscar em Lima contra o Alianza e a gente vai ficar em primeiro?, diz Luís Fabiano. Antes de torcer contra a LDU, o time precisará mostrar que superou o peso do vexame da desclassificação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.