JF Diório/Estadão
JF Diório/Estadão

Luis Fabiano volta ao São Paulo sob desconfiança

Artilheiro foi 'esquecido' pela torcida com ascensão de Aloísio e Ademilson

O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2013 | 08h00

SÃO PAULO - Quando pisar no gramado do Morumbi para enfrentar o Atlético Nacional no primeiro jogo das quartas de final da Copa Sul-Americana nesta quarta, Luis Fabiano vai se encontrar em uma situação pouco usual em suas duas passagens pelo São Paulo. Titular indiscutível e um dos pilares da equipe, o atacante foi "esquecido" pela torcida nos seis jogos em que ficou se recuperando de uma lesão na coxa e volta ao time respaldado mais pelo seu histórico do que por sua fase técnica.

Foi justamente durante a ausência do titular que o São Paulo conseguiu se desvencilhar da zona de rebaixamento e chegou à nona posição no Campeonato Brasileiro com 43 pontos. O atacante se lesionou contra o Vitória, na primeira partida da atual série invicta, e marcou um dos gols do dramático triunfo por 3 a 2. Daí em diante pôde apenas assistir de fora a reação. Isso não seria exatamente um problema se a recuperação não passasse com tanta importância justamente pelo ataque. Sem Luis Fabiano, o setor ofensivo cresceu de produção e praticamente todos os jogadores marcaram; Aloísio balançou as redes seis vezes nos últimos jogos e se tornou o goleador do time no Brasileiro, Ademilson subiu de produção, marcou dois gols, distribuiu passes e sofreu pênaltis. Até Welliton aproveitou a oportunidade e fez um dos gols na vitória sobre a Universidad Católica.

Mas foi especialmente a boa fase e o entrosamento de Ademilson e Aloísio que suscitaram as primeiras dúvidas se Muricy iria mudar o setor que vem rendendo tão bem nos últimos jogos. Em grande fase, o Boi Bandido caiu nas graças da torcida e até camisa personalizada ganhou para ser comercializada. Irritado, o treinador fez questão de avisar que Luis Fabiano joga. "Não sou um técnico iniciante, não sou um menino para preparar um atleta e, depois de um resultado desses, voltar atrás. Não existe isso, aqui é profissional. Ele vai jogar, não vou entrar nessa polemicazinha de vocês (imprensa)", resmungou logo após a partida contra o Inter em que Aloísio marcou os três gols da vitória por 3 a 2.

Dessa forma, a tendência é que Ademilson seja sacrificado e volte para a reserva. "Justiça tem que ter. Mas o Luis sempre faz gol. Se ele fica dois jogos sem fazer, a imprensa fala que é crise. Não o vejo em uma má fase; às vezes ele fica dois jogos sem fazer, depois faz gols em dez jogos seguidos", diz o jovem atacante, para emendar. "Se acontecer algum imprevisto de não dar certo contra o Nacional no Morumbi creio que não será porque o Luis entrou, de repente poderíamos ter nossa sequência quebrada se jogássemos eu e o Aloísio." Em silêncio, o artilheiro trabalha para voltar em nível acima do que tem apresentado: tem apenas 21. Para efeito de comparação, só no Brasileiro do ano passado ele marcou 17 vezes. Na atual edição balançou a rede em seis oportunidades.

DE OLHO EM 2014

Independente da reação do artilheiro, a diretoria se movimenta para encontrar um atacante para rivalizar pelo posto de titular. Nos últimos dias o presidente Juvenal Juvêncio sondou Vagner Love, atualmente no Shandong Luneng, da China, mas ficou assustado com os salários do atacante e encerrou as conversas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.