Ayrton Vignola/AE
Ayrton Vignola/AE

Luiz Felipe Scolari apoia descarte de Ronaldinho Gaúcho pelo Palmeiras

Técnico criticou como negociação para volta do jogador ao futebol brasileiro está sendo conduzida

AE, Agência Estado

10 de janeiro de 2011 | 12h18

Luiz Felipe Scolari disse que aprovou a decisão do presidente do Palmeiras, Luiz Gonzaga Belluzzo, de ter desistido da contratação de Ronaldinho Gaúcho. O técnico alviverde criticou, ainda que de forma velada, a maneira do jogador e de seu irmão e representante, Roberto Assis, negociarem seu retorno ao futebol brasileiro com os clubes interessados.

Veja também:

linkPalmeiras acerta dois amistosos na Espanha para março

linkFlamengo teme que Assis procure o Corinthians

forum ENQUETE - Ronaldinho deve acertar com qual clube?

blog DIRETO DA FONTE - Ronaldinho quer morar no Rio

"Achei correto da parte do nosso presidente, do marketing e das pessoas que tiveram envolvimento nessa situação que desistissem", disse Felipão, em entrevista coletiva concedida nesta segunda-feira, na Academia de Futebol.

No domingo, o Palmeiras divulgou uma nota oficial em que condenava a demora e a forma com que Ronaldinho e seu irmão negociaram com o clube. O time de Palestra Itália alegou que conversa com o ex-jogador do Milan desde agosto de 2010 e que teve as tratativas complicadas assim que a concorrência de Flamengo e Grêmio tornou-se pública. No último sábado, o Grêmio abriu mão do negócio e também criticou Ronaldinho e Assis, mas de forma ainda mais áspera.

Mesmo tendo boa relação com o jogador, com quem conversou nos últimos dias por telefone para tentar convencê-lo a assinar com o Palmeiras, Felipão disse que não sabe qual será seu futuro. "Novela que tem italiano no meio é tudo igual. Ninguém sabe o que vai acontecer", disse, referindo-se ao vice-presidente do Milan, Adriano Galliani, que já declarou sua preferência em ver Ronaldinho no Flamengo.

Falta de reforços. O treinador ainda não recebeu nenhum reforço nesta pré-temporada, mas mostrou paciência com a demora da diretoria em atender seus pedidos. "Nós não contratamos devido a uma série de detalhes, principalmente no aspecto financeiro. Negociações que nós achávamos que seriam fáceis ficaram complicadas porque hoje você tem que falar com investidor, amigo...", reclamou.

A única perspectiva do Palmeiras é a médio prazo - o clube anunciou que tem um acordo com o atacante santista Maikon Leite para junho. Felipão elogiou a postura da direção do Palmeiras no negócio. "Corretamente os dois presidentes (Belluzzo e Luis Álvaro de Oliveira) se comunicaram e foi dada a concordância do Santos para que nós fizéssemos um pré-contrato. Gostaríamos de tê-lo desde janeiro, mas será em junho ou julho. É uma situação que pode evoluir, dependendo se o Adílson (Batista, técnico do Santos) for utilizá-lo ou não."

O comandante palmeirense ainda negou a informação veiculada neste domingo de que tenha indicado a contratação do volante Gilberto Silva, do Panathinaikos, da Grécia. "O Gilberto é um volante de qualidade e com quem tenho amizade, mas estou sabendo por vocês (repórteres) agora. Não tivemos contato." Felipão dirigiu o jogador, de 33 anos, na Copa do Mundo de 2002.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.