Bruno Haddad/ Cruzeiro
Bruno Haddad/ Cruzeiro

Sem conseguir levar o Cruzeiro de volta para a Série A, Felipão deixa o comando do clube mineiro

Decisão foi tomada em 'consenso', informa comunicado divulgado pelo time nesta segunda-feira, antes do fim da temporada

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2021 | 10h10

O técnico Luiz Felipe Scolari deixou o comando do Cruzeiro nesta segunda-feira. Em nota divulgada nesta manhã, o clube de Minas Gerais afirmou que a decisão foi tomada "em consenso". O treinador assumiu o comando do time em outubro de 2020 e ajudou na luta contra o rebaixamento na Série B do Campeonato Brasileiro, mas ficou longe de conseguir o acesso para a elite nacional.

Por meio de sua assessoria de imprensa, Felipão valorizou o trabalho realizado nesta sua segunda passagem pelo clube. "Quando, em outubro, recebi em Porto Alegre o presidente Sérgio e a diretoria, disse "sim" ao plano de construção de um novo Cruzeiro. Sabia do desafio que era recuperar o time na Série B. Naquele momento, havia uma grande ameaça de queda para a Série C. Todos nós naquela reunião assumimos o compromisso com este projeto. Um trabalho organizado onde todos deveriam dar sua contribuição, cada um no seu setor. Aceitei retornar com enorme prazer em ajudar e trabalhar pelo clube. Conseguimos recuperar o time na Série B".

Felipão comandou o Cruzeiro em 21 partidas, com nove vitórias, oito empates e quatro derrotas. Considerando as duas passagens, o treinador tem ao todo 49 vitórias, 31 empates e 16 derrotas à frente do time mineiro. O treinador não indicou seus próximos passos na profissão.

No comunicado divulgado em seu site oficial, o Cruzeiro "agradece e reconhece todo o trabalho, dedicação e profissionalismo de Felipão e seu staff para com o clube neste momento importante, e deseja toda sorte e felicidade ao técnico campeão do mundo e sua comissão". O Cruzeiro também não anunciou seu novo comandante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.