Luiz Gonzaga Belluzzo é o novo presidente do Palmeiras

Candidato da situação, economista derrota Roberto Frizzo por uma diferença de apenas 22 votos

Redação, estadão.com.br

26 Janeiro 2009 | 23h31

SÃO PAULO - Numa disputa acirrada, o economista Luiz Gonzaga Belluzzo levou a melhor na madrugada desta terça-feira sobre Roberto Frizzo e será o novo presidente do Palmeiras pelos próximos dois anos. Candidato da situação, Belluzzo venceu a disputa pelo placar de 145 a 123 (6 votos brancos) - no total, votaram 274 conselheiros. Veja também:Edmílson chega ao Palmeiras e se diz pronto para jogarKeirrison se dispõe a jogar contra Marília e Potosí Especial: as armas dos times para o Paulistão 2009 Paulistão 2009 - Tabela e classificaçãoConfira as novidades do mercado do futebol Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão Belluzzo substitui Affonso Della Monica, que no ano passado tentou se manter no poder ao colocar em votação uma mudança no estatuto que permitiria uma ampliação de seu mandato até o final deste ano. O dirigente, porém, acabou derrotado em duas oportunidades: no Conselho Deliberativo e na Assembleia de Sócios. A vitória de Belluzzo representa uma continuidade da linha de trabalho do Palmeiras. O técnico Vanderlei Luxemburgo será mantido no cargo até o término de seu contrato, em dezembro deste ano. Frizzo, candidato apoiado por Mustafá Contursi, não gosta do atual treinador e preferia alguém com as características de Muricy Ramalho. Outro ponto defendido por Belluzzo é a modernização do clube. O dirigente, que ocupava o cargo de diretor de planejamento, foi um dos responsáveis pela parceira com a Samsung, que renderá R$ 15 milhões aos cofres por ano. Além disso, Belluzzo participou do acerto com a construtora WTorre, responsável pela construção da Arena Palestra Itália. Além da eleição de Belluzzo, os conselheiros do Palmeiras escolheram mais quatro vices para formar a diretoria: Salvador Hugo Palaia, Clemente Pereira, Gilberto Cipullo e Edvaldo Frasson - este último foi o único da oposição eleito. (Com Daniel Akstein Batista, de O Estado de S. Paulo)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.