Heuler Andrey/Mowa Press<br>
Heuler Andrey/Mowa Press

Luiz Gustavo prega união para iniciar reconstrução na seleção

Volante mostra confiança no atual grupo de jogadores que estão representando o Brasil e acredita em bom jogo contra a Argentina

RAPHAEL RAMOS, O Estado de S. Paulo

08 de outubro de 2014 | 09h16

Remanescente da equipe que foi goleada por 7 a 1 pela Alemanha na semifinal da Copa do Mundo, o volante Luiz Gustavo prega a solidariedade entre os jogadores da seleção brasileira para ajudar na reconstrução da equipe visando o Mundial de 2018. Para o jogador, esse início de ciclo sob o comando de Dunga é o momento de todos se ajudarem em campo.

"Nós, que estamos aqui, sabemos da nossa responsabilidade, que é treinar o melhor possível e corresponder dentro de campo. Sabemos que vamos ter um jogo difícil, um clássico. Sabemos da qualidade deles, mas temos de nos concentrar em nós. Dentro de campo, todo mundo precisa se ajudar para as coisas ficarem mais fáceis", disse o volante nesta quarta-feira, em Pequim, onde o Brasil se prepara para enfrentar a Argentina, sábado, no Superclássico das Américas.

Luiz Gustavo está otimista e prevê que a seleção brasileira vai apresentar no sábado um desempenho superior em relação às vitórias por 1 a 0 sobre Equador e Colômbia porque, nos amistosos realizados nos Estados Unidos, a maioria dos jogadores da seleção estava em início de temporada e longe da forma física ideal.

"Faz um mês desde o jogo passado, e nos nossos clubes tivemos várias partidas. Isso ajuda muito no ritmo de jogo, fisicamente e tecnicamente. Não podemos mais dizer que isso é um problema".

Garantido como titular, Luiz Gustavo ainda não sabe quem será o volante que formará dupla com ele depois dos cortes de Ramires e Fernandinho por lesão. Os indicativos, no entanto, são de que Elias será o escolhido por Dunga. Luiz Gustavo diz não ter preferência por nenhum jogador. A definição da equipe deve sair no treino desta quinta-feira.

"Vamos esperar como o professor vai jogar e por quem ele vai optar para começar jogando. Mas todos que estão aqui têm plenas condições de começar jogando, de jogar comigo ou com qualquer outro. Temos de tentar nos ajudar da melhor forma porque não temos muito tempo para nos entrosar. Temos de ouvir bem o que o professor pede para superar as dificuldades e fazer uma boa partida."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.