Luiz Zveiter divide responsabilidade

Em uma astuta manobra, o presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva, Luiz Zveiter dividiu nesta quinta-feira com os demais membros do orgão a responsabilidade pela negativa ao recurso dos clubes para que os 11 jogos arbitrados por Edílson Pereira de Carvalho no Campeonato Brasileiro não fosse anulado. O magistrado que, por lei tinha o poder de sozinho indeferir a intenção das agremiações, pediu que os demais cinco auditores do STJD se manifestassem sobre o assunto.Mas apesar de três auditores ratificarem sem titubear a decisão de Zveiter, José Mauro Couto e Eduardo Costa deixaram claro que a competência para julgar o pedido de efeito suspensivo à liminar que anulou as partidas, era somente do presidente do STJD. ?É uma decisão que vossa excelência (Zveiter) não precisava colocar em votação?, ressaltou Couto. ?Não me resta apreciar sequer o conteúdo da ação.? Obtido o apoio dos demais auditores, Zveiter rejeitou à principio um recurso impetrado pelo Figueirense, que sozinho tentou cassar a liminar que anulou os confrontos. Indeferido o primeiro pedido, o recurso em conjunto solicitado por Santos, Ponte Preta, Internacional, Cruzeiro e Figueirense também não foi atendido.Agora, o processo sobre a anulação das partidas do Brasileiro seguirá normalmente até ser julgado por uma das comissões disciplinares e posteriormente pelo Tribunal Pleno do STJD. E, esgotados os trâmites jurídicos desportivos iniciais, só restou aos clubes ingressarem na justiça comum se ainda desejarem de imediato fazer com que as partidas voltem a ter validade.Após a sessão em que o STJD rejeitou os pedidos de efeitos suspensivos dos clubes, Zveiter se encontrou com o presidente da Federação Baiana de Futebol, Ednaldo Rodrigues. O dirigente foi ao Rio dizer ao magistrado que, apoiado por Bahia e Vitória, tem a intenção de ingressar com um recurso na Justiça Desportiva para que os quatro jogos da Série B arbitrados pelo juiz José Danelon sejam anulados. ?Ele me falou que está esperando o término das investigações do Campeonato Paulista, onde Danelon também confessou ter manipulado resultados, para tomar uma providência quanto a Série B do Brasilero?, contou o presidente. ?Até lá, prometi que irei esperar para ingressar com uma ação na Justiça Desportiva?.CNJ - O ministro-corregedor do Conselho Nacional de Justiça, Antonio de Pádua Ribeiro, deu prosseguimento nesta quinta às três denúncias impetrada no órgão quanto a impossibilidade de Zveiter acumular o cargo de presidente do STJD e o cargo de juiz no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Ribeiro deu 15 dias para Zveiter responder um questionário que lhe foi enviado. Já o ex-presidente da Comissão Nacional de Arbitragem, Armando Marques, por motivos pessoais, teve o seu depoimento adiado no inquérito que apura o escândalo das arbitragens do futebol brasileiro. Uma nova data será marcada para que o ex-dirigente preste esclarecimentros.

Agencia Estado,

06 de outubro de 2005 | 20h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.