Luizão pede R$ 7 milhões na Justiça

O atacante Luizão pode ser beneficiado amanhã pela Justiça do Trabalho com uma liminar que lhe dará o direito de se desligar do Corinthians e defender um outro clube. Alegando atraso no pagamento de salários, que inclui o direito de imagem, recolhimento do fundo de garantia por tempo de serviço, e outros benefícios, o atleta, por meio da sua advogada Gislaine Nunes, entrou hoje com uma ação contra o Corinthians e a Hicks Muse na 12.ª Vara da Justiça do Trabalho exigindo indenização no valor de R$ 7.305.980,15, e o rompimento imediato de contrato com o Alvinegro. O juiz Glener Pimenta Stroppa, responsável pelo processo, poderá conceder, segundo a advogada, uma liminar ao jogador ainda nesta quarta-feira. Luizão tem três contratos assinados com a parceria Corinthians/Hicks Muse. Dois com o clube ( um pela Consolidação das Leis do Trabalho, CLT, e um pela exploração do direito de imagem. Com a Hicks Muse, o atleta tem um contrato, também do direito de imagem. A advogada entrou com a ação reivindicando cerca de R$ 1 milhão como atraso de pagamento, além de 50% do valor correspondente a que o jogador teria para receber até 2004, quando terminaria seu contrato, subindo para pouco mais de R$ 7 milhões. A decisão de Luizão em entrar na Justiça do Trabalho causou uma revolta no Parque São Jorge. O advogado do clube, João Zanforlim, afirmou que o Corinthians não deve nada ao atleta. "Fizemos um levantamento e tudo está em dia. Não há o que contestar", afirmou Zanforlim. A Hicks Muse admite que deve cerca de R$ 1 milhão ao jogador referente ao direito de imagem. "Mas estávamos conversando para acertar o problema", garantiu hoje Dick Law, que continua respondendo pela empresa norte-americana, embora já esteja definido sua saída da Hicks Muse. Dick Law afirmou que não disse para Luizão procurar seus direitos na justiça como o jogador teria declarado. "Isso é mentira. Seu eu tivesse que mandar Luizão procurar a justiça teria feito em julho de 2001, quando ele estava sem jogar, se recuperando de uma cirurgia. Mas confiamos na volta do atleta e renovamos seu contrato", explicou o dirigente texano ao dar detalhes da negociação com o jogador. "Acertamos luvas de US$ 2,5 milhões, dos quais US$ 900 mil ele pegou no ato, e o resto foi pago em sete meses. É verdade que estamos com atraso no direito de imagem, mas isso estava em processo de conversação", afirmou Dick Law, que promete brigar com Luizão com as mesmas armas, na justiça. Apesar do impasse, a Hicks Muse ainda vai tentar convencer Luizão a retirar a ação e ficar no Corinthians. A empresa vai usar como argumento a disputa da Copa do Mundo. O presidente do clube, Alberto Dualib, ficou magoado com o jogador. "Ele não deveria ter feito isso. O Corinthians o projetou. Ele se precipitou", disse Dualib. O técnico Carlos Alberto Parreira lamentou a perda do atacante, mas faz alerta aos atletas. "Virou moda os jogadores entrarem na justiça contra os clubes. É preciso o atleta estudar bem a questão para não ser prejudicado", disse o treinador. "Vejam o caso do Luís Mário. Entrou na justiça, e quem perdeu? Foi seu advogado, seu procurador? Não, foi o próprio jogador, que está parado."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.