Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Lula critica êxodo de jogadores brasileiros para a Europa

Presidente da República afirma que tem medo que cada jogador que faça dois gols já seja vendido

EFE,

23 de julho de 2008 | 21h31

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira que tem medo que as equipes da Europa comprem cada jogador brasileiro que se destaque em uma partida."Tenho medo que cada jogador que faça dois gols, como ontem (terça) fez Dentinho (no empate do Corinthians por 2 a 2 com o Ceará, pela Série B do Brasileirão), já seja comprado pelo Barcelona ou Real Madrid", assinalou.Lula aproveitou uma conversa informal com os jornalistas em Brasília para criticar a saída cada vez mais cedo de jogadores de futebol do Brasil para o exterior, já que as equipes européias pagam salários mais elevados.De acordo com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o Brasil é o maior exportador de futebolistas do planeta. De janeiro a novembro do ano passado, 1085 jogadores deixaram o país rumo ao exterior.Na janela do mercado, que fica aberta até o fim de agosto, vários jogadores já abandonaram seus clubes no Brasil, não só para a Europa, mas também para outros destinos, como Oriente Médio e Japão.Uma das transferência mais comentadas foi a de Philipe Coutinho, jovem de apenas 16 anos que deixou o Vasco para i jogar na Inter de Milão, da Itália.No Palmeiras, o zagueiro Henrique, contratado há apenas cinco meses, deixou o time paulista para ir jogar no Barcelona, da Espanha.O atual líder do Campeonato Brasileiro, o Flamengo, já perdeu os atacantes Marcinho, para o Al Jazira, dos Emirados Árabes Unidos, e Renato Augusto, para o Bayer Leverkusen, da Alemanha.Já o Fluminense, vice-campeão da Copa Libertadores, viu ir embora Cícero, para o alemão Hertha Berlim, e Gabriel, para o grego Panathinaikos. O clube carioca deve perder outros atletas nas próximas semanas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.