Paulo Liebert/AE
Paulo Liebert/AE

Lula quer proibir venda de jogadores durante o Brasileirão

Segundo o presidente, é ruim o fato de os jogadores deixarem seus clubes no decorrer da competição

Eduardo Kattah, Agencia Estado

31 de julho de 2009 | 20h40

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu nesta sexta-feira uma mudança no calendário do futebol nacional ou a criação de uma lei para impedir que os jogadores sejam negociados no meio do Campeonato Brasileiro.

Veja também:

especialAs notícias do mercado do futebol

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Ao lado do governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), ao desembarcar na Base Aérea da Pampulha, em Belo Horizonte, o presidente lembrou a venda do volante Ramires para o Benfica, de Portugal, e manifestou preocupação com um suposto desmonte no Corinthians.

"Olha o que a gente tem que fazer: ou tem uma lei proibindo a venda de jogadores no meio do campeonato ou você muda o calendário do futebol brasileiro para que o mercado brasileiro seja compatível com a abertura de janela do mercado externo", disse, em entrevista à rádio Itatiaia.

Para o presidente, a janela para o mercado europeu pode comprometer os planos de seu clube do coração de conquistar o Brasileiro e a Copa Libertadores de 2010. "O Corinthians foi campeão paulista invicto, campeão da Copa Brasil, ou seja, está pensando na Libertadores e tem que ser campeão brasileiro", ressaltou, sem esconder o receio. "Desmonta um time, perde quatro jogadores em um final de semana", disse se referindo às saídas de Douglas, André Santos e Cristian.

Lula reconheceu a importância da "realização individual" para os jovens atletas, mas reforçou o pedido por mudanças no calendário brasileiro. "Estamos vendo os nossos jovens saírem daqui com 17 anos de idade e voltarem com 32 pra jogar no Brasil. Ou seja, no auge da carreira eles estão jogando no exterior. Do ponto de vista da realização profissional é correto. A meninada precisa ganhar dinheiro mesmo, a profissão é muito curta", afirmou.

"Mas não podemos é que no meio do nosso campeonato abra a janela dos países europeus e os times que estão disputando o campeonato vendam seus jogadores", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.