Sebastião Moreira/EFE
Sebastião Moreira/EFE

Lula sugere que Brasil ceda Copa América de 2015 ao Chile

Competição continental poderia ser realizada em território brasileiro apenas quarto anos mais tarde, em 2019

Anne Warth e Fernando Cesarotti, Agencia Estado

30 de julho de 2009 | 16h31

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quinta-feira que vai sugerir ao presidente da CBF, Ricardo Teixeira, que o Brasil ceda ao Chile o direito de sede da Copa América de 2015, e aceite receber a competição somente quatro anos depois.

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

A presidente chilena, Michelle Bachelet, fez o pedido a Lula em encontro realizado na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na capital paulista. Lula disse que o Brasil vai sediar a Copa das Confederações em 2013 e a Copa do Mundo em 2014, e também reivindica a Olimpíada de 2016, e por isso poderia abrir mão de receber a Copa América de 2015.

"É viável. Eu me comprometi com ela a fazer um esforço junto aos homens do esporte do Brasil, do ministro do Esporte (Orlando Silva) ao Ricardo Teixeira (presidente da CBF) e aos homens do esporte de outros países da América do Sul, para que seja feita uma distribuição justa das atividades esportivas. Eu acho que o Chile tem direito", declarou o presidente.

Bachelet ficou satisfeita com as declarações. "Estou muito contente com a posição do presidente Lula", declarou ela, que já havia feito esse pedido ao presidente da Conmebol, Nicolas Leoz, num encontro há duas semanas. Ele disse que a troca seria possível, desde que houvesse concordância entre os dois países.

A partir de 2011, na Argentina, a Copa América passará a ser realizada a cada quatro anos, respeitando o rodízio de sedes implantado na década de 1980 pela Conmebol, que começou na própria Argentina, em 1987, e foi encerrado na Venezuela, há dois anos. O Brasil recebeu a competição pela última vez em 1989, enquanto o Chile foi sede em 1991.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.