Lulinha e Acosta ficarão no banco contra o Goiás

Técnico Mano Menezes decide atender o pedido da torcida corintiana e muda o time para a Copa do Brasil

Cosme Rímoli,

12 de abril de 2008 | 18h41

A torcida corintiana ganhou. Lulinha e Acosta serão meras opções no banco de reservas na importante partida desta quarta-feira em Goiânia contra o Goiás, pela Copa do Brasil. As pichações dos torcedores nos muros do Parque São Jorge contra os dois jogadores feitas na sexta-feira foram apagadas, mas as críticas dos torcedores combinaram com a opinião de Mano Menezes. "Eles não estão em boa fase mesmo. Isso é indiscutível. Estão lutando muito para recuperar o bom futebol, eu reconheço. E vão melhorar trabalhando ", disse Mano ainda na sexta-feira, quando não havia definido a equipe contra o Goiás. Não resta dúvida qual será a estratégia corintiana em Goiânia. Mano sabe o quanto custou a decepção da desclassificação do Campeonato Paulista. E para tentar continuar na Copa do Brasil, o treinador montará um esquema extremamente defensivo na quarta-feira. Com direito a três zagueiros e três volantes. Além de Lulinha e Acosta fora, Finazzi também ficará no banco de reservas. O treinador não deseja nessa partida um atacante parado na frente. Está claro que o Corinthians tentará empatar em Goiás e vencer na partida de volta em São Paulo. A grande novidade foi a presença do volante Nílton no meio de campo. O jogador vai jogar entre Fabinho e Bóvio. A intenção é fechar a intermediária para buscar os contragolpes contra o time de Caio Júnior. "O Goiás vai tentar ganhar a partida na sua casa para vir para São Paulo com a vantagem do empate. Nós temos de marcar forte mesmo", disse Nilton. No coletivo deste sábado, Nilton teve um choque muito forte com Finazzi. O atacante o acertou violentamente com o cotovelo. O volante acabou tendo de tomar dois pontos para fechar o corte que ficou na sua testa. "Foi acidente de trabalho, acontece. Infelizmente acabei levando a pior, ele já estava no alto e eu cabeceei o cotovelo dele. Mas foi só um rasguinho na testa, já está tudo bem", dizia Nilton. Finazzi se apressou em pedir desculpas quando viu o titular caído sangrando. Elas pareciam sinceras.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa do BrasilCorinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.