Lusa conformada sem os reforços

Esqueceram de Mim. O título de uma bem sucedida comédia produzida em Hollywood reflete bem o atual momento da Portuguesa. Longe dos gramados há 41 dias, fora do noticiário esportivo e sem conseguir fazer nem sequer uma contratação, a Lusa é esquecida pelos próprios dirigentes. Alguém se lembra do resultado do último jogo da equipe no semestre? Foi contra o Atlético Paranaense, no dia 9 de maio, pelas oitavas-de-final da Copa do Brasil. Se a resposta for negativa, basta passar na frente do Estádio do Canindé. Até agora, nenhum funcionário mexeu no placar, que permanece exibindo o resultado do empate por 1 a 1, que eliminou o time do técnico Candinho. "Ainda temos muito tempo para contratar", afirma Candinho, mostrando-se conformado com a situação. A fase é tão ruim que o clube não consegue nem "se livrar" dos renegados de Candinho, caso de Irênio. O jogador não faz parte dos planos do treinador, mas mesmo assim, permanece treinando. O clube não consegue negociá-lo. Algumas cenas cômicas deixam claro porque a Lusa está nesta situação. Em reunião no escritório da Brunoro & Cocco Sport Business, empresa que administra o Departamento de Futebol Profissional, hoje, foi divulgado o resultado do projeto para tornar a Portuguesa um clube grande. O resultado: ao invés de contratações para formar times fortes, que lutem por títulos, foi proposto a mudança do nome do clube, que passaria a ser chamado de Real Portuguesa de Desportos. "O nome Portuguesa está muito degastado. Real é curto, com a grafia idêntica em muitos países e significa nobreza", disse José Carlos Brunoro. Porém, uma clara demonstração de que o projeto vai naufragar: nenhum representante da Portuguesa esteve no encontro.

Agencia Estado,

18 de junho de 2001 | 19h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.