Lusa empata com o Figueirense por 5 a 5 pelo Brasileirão

Time paulista abre três de vantagem, mas recua e deixa rival empatar no último minuto de jogo no Canindé

Giuliano Villa Nova, O Estado de S. Paulo

11 de maio de 2008 | 20h13

O ataque da Portuguesa funcionou bem, mas a defesa falhou demais. Assim, o que poderia ser uma goleada histórica se transformou num frustrante - mas emocionante - empate por 5 a 5 com o Figueirense, neste domingo, no Canindé. O time paulista, que reestreou na divisão de elite do Campeonato Brasileiro depois de cinco anos na Série B, chegou a estar em vantagem no placar por 5 a 2, mas permitiu a reação do rival catarinense nos minutos finais do jogo. Veja também: Guia de clubes do Campeonato Brasileiro Resultados e calendário Vexame paulista na estréia no Brasileirão "Estávamos com resultado na mão, mas infelizmente deixamos o Figueirense empatar. Só o futebol pode proporcionar isso", lamentou o atacante Diogo, o principal jogador da Portuguesa. "Pelas circunstâncias, o resultado foi ótimo, mas ainda temos muito a melhorar", comentou o técnico do Figueirense, Alexandre Gallo. Apesar da decepção da torcida da Lusa, ficou a impressão de que, com um pouco mais de entrosamento e aplicação de seus zagueiros, o time do técnico Vágner Benazzi poderá, pelo menos, disputar uma das vagas na Copa Sul-Americana do próximo ano. Liderado pelo meia Rodrigo Fabri, o Figueirense não foi brilhante, mas mostrou muita vontade para se recuperar no jogo. Num jogo com 10 gols, demorou só quatro minutos para a Portuguesa abrir o placar. A defesa do Figueirense afastou com defeito a cobrança de escanteio do estreante Edno, que pegou o rebote e mandou na cabeça de Marco Aurélio, que completou para o gol: 1 a 0. Com Rodrigo Fabri em ótima jornada, o time catarinense não sentiu a desvantagem e passou a tocar bem a bola, mas lhe faltava  Portuguesa5André Luis; Patrício    , Bruno Rodrigo, Marco Aurélio     e Bruno Recife    ; Erick    , Carlos Alberto, Edno e Preto     (Dias); Diogo     (Vaguinho) e Christian (Vaguinho)Técnico: Vágner Benazzi Figueirense5Wilson; Felipe Santana    , Asprilla     e Leandro     (Bruno Santos); César Prates    , Diogo, Élton (Magal), Cleiton Xavier e Marquinhos (Edu Salles); Rodrigo Fabri     e Wellington AmorimTécnico: Alexandre GalloGols: Marco Aurélio, aos 4, Rodrigo Fabri, aos 36, e Patrício, aos 43 minutos do primeiro tempo; César Prates, aos 5, Bruno Rodrigo, aos 11, Diogo (pênalti), aos 13, Christian, aos 15, Felipe Santana, aos 24, Bruno Santos, aos 43, e Felipe Santana, aos 48 do segundo tempoÁrbitro: Émerson Luiz Sobral (PE)Renda: 36.210,00Público: 2.495 pagantesEstádio: Canindé, em São Pauloeficiência no ataque. Ainda assim, o Figueirense, ajudado pela apatia do rival, chegou à igualdade. Aos 36 minutos, livre de marcação, Rodrigo Fabri aproveitou o chute cruzado de César Prates e tocou para as redes.  Quando os torcedores da Lusa já se irritavam com a produção da equipe, Patrício apareceu de surpresa na área, pegou o rebote do chute de Erick e, com habilidade, driblou Wilson e rolou para o gol vazio: 2 a 1, aos 43 minutos do primeiro tempo. O Figueirense voltou mais ofensivo para a etapa final e empatou outra vez. Rodrigo Fabri sofreu falta na entrada da área e César Prates, com precisão, acertou o canto de André Luís: 2 a 2, aos cinco minutos. GOLEADA?Aí, quando o Figueirense começava a tomar conta do jogo, a Portuguesa abriu boa vantagem em apenas cinco minutos. Na cobrança de escanteio de Patrício, aos 11, Bruno Rodrigo subiu mais do que a defesa adversária e fez o terceiro. Em seguida, Diogo foi agarrado por Asprilla na área. Pênalti, que o próprio atacante converteu, aos 13. O Figueirense parecia sem reação. Tanto que sofreu mais um. Aos 15 minutos, Christian arrancou pela esquerda e acertou chute no ângulo, fazendo 5 a 2 para a Lusa. Mas, logo depois, Felipe Santana diminuiu, ao completar escanteio de Cleiton Xavier aos 24. A Portuguesa começou a se perder quando Patrício cometeu falta violenta e foi expulso. Para segurar o resultado, o técnico Vágner Benazzi colocou Dias no lugar de Preto e tirou o cansado Diogo, para a entrada de Rogério. Mas o Figueirense superou seus erros e encostou no placar, com Bruno Santos aos 43 minutos.  Nos acréscimos, a pressão do Figueirense deu resultado e Felipe Santos igualou o placar aos 48 minutos do segundo tempo. Sobrou alegria o time catarinense, e para quem gosta de gols, mas ficou a decepção para a torcida da Portuguesa, que terá de esperar mais uma semana para tentar a vitória nessa volta à elite nacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.