Lusa encara ?decisão? em Mogi

"Estes são os seis pontos da nossa vida." A afirmação do técnico Luiz Carlos Ferreira dá a idéia do que os próximos dois jogos representam para a Portuguesa, na luta para voltar à elite do futebol brasileiro. Neste sábado, o adversário é o Mogi-Mirim, no Estádio Wilson Fernandes de Barros, em Mogi-Mirim, e apenas a vitória interessa ao time da capital, com apenas 22 pontos, para continuar com chances de chegar à segunda fase da Série B do Campeonato Brasileiro.A Ability Sports, empresa que gerencia o futebol do clube, aposta no carisma e na experiência de Ferreira, conhecido como "rei do acesso" no interior paulista para que o time consiga reagir na competição. Para isso, bancou três dias de concentração na Estância Santa Filomena, em Jarinu - ao contrário do que fez quando o time era dirigido por Paulo Comelli, que pediu demissão na semana passada e que por várias vezes quis levar o elenco para fora de São Paulo.Se não ganhar do Mogi-Mirim, o time corre o risco de entrar em férias mais cedo, a exemplo do ano passado, quando não chegou entre os oito melhores. Depois do Mogi, o adversário será o Remo, terça-feira, no Canindé. "Não podemos deixar isso acontecer, porque a Portuguesa tem um elenco de qualidade, não perde para nenhum time do campeonato", analisou Ferreira.Para o desafio deste sábado, o time deve ter três novidades. O zagueiro Acciolly deve substituir César, suspenso. O volante Capitão, recuperado de lesão muscular, retorna ao time e à sua antiga função, uma espécie de terceiro zagueiro. No ataque, a principal novidade: Régis Pitbull - que se indipôs com o antigo treinador - deve perder a posição para Edmilson.O elenco esteve concentrado em Jarinu até esta sexta-feira pela manhã.Em seguida, o grupo viajou para Jaguariúna, vizinha de Mogi-Mirim, onde ficará concentrado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.