Lusa identifica seu principal problema

Após a derrota para o América-MG por 1 a 0, na esréia do Brasileiro da Série B, a Portuguesa já sabe o que deve e o que não deve fazer para vencer o Bahia, sexta-feira, às 20h30, no Canindé, e se reabilitar na competição. "Um dos nossos defeitos foram as finalizações. Criamos chances, mas não soubemos concluir", explicou o técnico Paulo Comelli, que comandou um treino específico de chutes ao gol, terça-feira, para amenizar o problema.O goleiro Gléguer concorda com o treinador. "Em jogos equilibrados como os da Série B, dificilmente aparecem muitas chances. Quando aparecem, devem ser aproveitadas, se não, o risco de perder a partida é muito grande." O atacante Lucas Pereira também lamentou as oportunidades desperdiçadas - principalmente no primeiro tempo. "Não ?matamos? o América, no início, e eles nos ?mataram? depois. Contra o Bahia, precisamos recuperar os pontos perdidos." Mas não foi apenas o ataque que deixou de balançar as redes adversárias. O meio-campo esqueceu de um dos fundamentos do futebol: o passe. "O Bruno e o Almir erraram muitos passes, não pode acontecer. Isso só se corrige treinando muito, mas também cobrei os jogadores para que fiquem mais atentos diante do Bahia", afirmou Comelli, impressionado com o total de erros de passe em Belo Horizonte: 108. "Isso não é normal num jogo profissional." Como não terá o lateral-esquerdo Cláudio, cuja documentação ainda não está regularizada, o treinador mantém a escalação que entrou em campo em Belo Horizonte. "A única mudança que poderia fazer seria a entrada do Cláudio, no lugar do Leonardo. Não há motivos para mexer na equipe, os jogadores precisam de entrosamento", justificou.O time fez um treinamento coletivo na tarde desta quarta-feira, no Canindé. Na quinta, haverá um treino técnico à tarde e, em seguida, começa o período de concentração para o jogo com o Bahia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.