Lusa muda Leandro por Celsinho

Sem marcar gols há seis jogos e curtindo uma maré de azar, o atacante Leandro Amaral perdeu a condição de titular na Portuguesa. Apesar dele ser um dos maiores artilheiros da história do clube, ficará apenas como opção no banco de reservas para o jogo decisivo contra o Guarani, sábado, no Brinco de Ouro, em Campinas, onde o objetivo é buscar o empate para garantir a vaga no quadrangular final do Campeonato Brasileiro da Série B. O seu substituto será Celso Luís, o Celsinho, de apenas 17 anos, que defendeu a seleção brasileira Sub-17, vice-campeã do mundo, mas é mais conhecido por sua semelhança física com Ronaldinho Gaúcho. "Atacante vive de gols e o que vale no futebol é o momento. O Leandro nem vem jogando bem, enquanto o Celsinho está super-motivado", explicou o técnico Giba, que concentrou o elenco desde segunda-feira num Centro de Treinamento, em Itu. Leandro anda cabisbaixo, mas espera dar a volta por cima: "Vou aguardar minha chance, porém o mais importante agora é a classificação do time", comentou. Tudo aconteceu justamente na semana em que ele deve completar seu 200º jogo com a camisa do clube. Leandro é o quarto maior artilheiro da Portuguesa, com 110 gols perdendo apenas para Pinga, com 176 gols (1944 a 1952); Enéas, com 170 gols, que jogou entre as décadas de 70 e 80, além de Nininho, com 115 gols, nos anos 60. O atual atacante, porém, superou seus concorrentes em outro quesito: é o maior artilheiro do Estádio do Canindé, com 65 gols. A Portuguesa terá dois desfalques em Campinas. O meia Cléber, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, e o volante Almir, punido por uma partida pelo STJD. A idéia inicial era usar três zagueiros, com a entrada de Émerson, mas nos treinamentos o técnico mudou de idéia: "Nosso time rende mais com três volantes". Os escolhidos devem ser Rodrigos Pontes, Alexandre e Rafael Toledo. A ausência de Cléber, artilheiro do time, com 12 gols, será suprida por Oliveira, que se revezará com Celsinho entre a ligação do meio de campo e o ataque. Vice-líder do Grupo B, com nove pontos, a Portuguesa precisa somar um ponto em Campinas para não ser alcançado pelo Marília, com seis pontos, e que receberá o já classificado Náutico, com 12 pontos. Nesta quinta-feira cedo houve um treino técnico e à tarde um tático. Haverá um recreativo na sexta-feira cedo e após o almoço a delegação viaja para Campinas, onde vai se concentrar.

Agencia Estado,

13 de outubro de 2005 | 19h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.