Lusa não perde com Sandro em campo

Acordar às 4h30 da manhã e contar com ajuda financeira do pai de um amigo para pagar sua condução. Todo o esforço tem apenas um motivo: transformar-se em um jogador de futebol. De tanto batalhar, o volante Sandro Fonseca venceu a falta de dinheiro e hoje, aos 26 anos, o sonho de criança tornou-se realidade. Tanto que ganhou a posição de titular e é um dos atletas indispensáveis no esquema tático do técnico da Portuguesa, Renê Simões.Nascido em Taubaté, Sandro Fonseca tinha de pegar ônibus todos os dias para locomover-se até São José dos Campos, onde iniciou a carreira. "Passei dificuldades, porque meu pai não tinha uma renda alta. Contava com a colaboração do pai de um amigo. Hoje sou jogador, já meu amigo, partiu para os estudos", conta. Depois do São José, o atleta transferiu-se para o Caixas, em 1994. Passou ainda por Juventude e Flamengo até chegar ao Canindé, em 1998.Quando começou a jogar, era meia, o que explica o fato de ser um dos melhores passadores do atual elenco da Lusa. Não se considera um coringa, mas já atuou como lateral e volante. "Temos de nos adaptar às várias posições e fazer o melhor. Se o Renê Simões precisar, estou sempre à disposição."Padrinho - Mesmo sendo titular da Portuguesa, a vida no Canindé nem sempre foi boa para Sandro. Quando chegou ao clube, em 1999, para trabalhar com Zagallo, o pretendido pelo treinador era Sérgio Manoel. Sandro não foi aproveitado e acabou jogando pela equipe de aspirantes. Foi campeão."Em momento algum deixei de trabalhar, por isso venci as batalhas." Com a chegada de Renê Simões, ganhou uma chance entre os titulares. Aproveitou e vem sendo um dos destaques do time pela facilidade em desarmar os adversários e armar os contra-ataques. Coincidência ou não, se o "queridinho" do chefe não atua, a Lusa perde. Dos 11 jogos da equipe na temporada, atuou em oito. Foram seis vitórias e dois empates. Nas três partidas em que esteve ausente, a Portuguesa foi derrotada. Mesmo assim, não é considerado um pé de coelho. "É um grande jogador e sua ausência faz muita falta", afirma Renê Simões.Para o jogo de domingo, diante da Inter de Limeira, o treinador será obrigado a fazer duas alterações. Saem o lateral-direito Mancini e o meia Hernani, ambos suspensos com o segundo cartão amarelo, e entram Márcio Goiano e Souza. Com isso, o time volta a jogar com dois volantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.