Lusa tenta a volta, com dois donos

O presidente da Portuguesa é um homem amargurado. Arquiteto e dono da construtora, sempre construiu obras no clube, sem cobrar honorários, mas ficou marcado porque foi em sua gestão que o time caiu para a Série B. Entrou em depressão e diz que não vê a hora de deixar o cargo. Nessa entrevista, fala também da certeza de ter feito um bom acordo com a Ability e com a Intercom.Jornal da Tarde - Qual o motivo dos acordos?Joaquim Alves Heleno - Era impossível continuar gastando. A situação era dramática e eu precisava cortar gastos. Diminuí as despesas de R$ 32 milhões para R$ 12 milhões por ano.JT - E aumentar as receitas?Joaquim Alves Heleno - Impossível. O clube tinha 90 mil sócios e agora tem 5 mil. Como a taxa de manutenção é de R$ 40 por mês, a gente arrecada R$ 200 mil, que é o que se gasta com a luz.JT - E a Ability?Joaquim Alves Heleno - Eles são responsáveis por todos os gastos do futebol: salários, viagens, hotéis, lavagem de roupa. E quando o jogo é no Canindé pagam 18% da renda para a Portuguesa. Se um jogador deles for vendido, a Portuguesa ganha 30%. Se um jogador "nosso" for vendido, o clube fica com 70%.JT - E com os coreanos?Joaquim Alves Heleno - Todos os gastos das categorias de base ficam por conta deles, inclusive as refeições dos jogadores. São 5 mil refeições por mês e não tínhamos como pagar. Eles estão reformando os alojamentos e as arquibancadas do CT. Não queria deixar a Portuguesa nas mãos de uma só empresa e por isso optei pelos coreanos.JT - E por que a Ability vai querer dar chance para um jogador revelado pelos coreanos?Joaquim Alves Heleno - Se esse jogador subir para o time de cima e for vendido, a Ability ganha 30%, os coreanos com 30% e a Portuguesa com 40%. As três partes têm a ganhar.JT - A Portuguesa arrecadou muito dinheiro e não aproveitou...Joaquim Alves Heleno - Entrou um caminhão de dólares aqui. Era a chance de se adaptar aos novos tempos do profissionalismo, mas não fizeram nada. Estou aqui há dois anos e quatro meses e não consegui um centavo com venda de jogador.JT - Como sair dessa situação?Joaquim Alves Heleno - Precisamos faturar com o nosso estádio, que tem capacidade para 35 mil lugares e é utilizado 15 vezes por ano. Nosso ginásio de esportes tem capacidade para 10 mil pessoas e fica às moscas. Temos de alugar para concertos de rock e , reunião de religiosos.JT - É candidato à reeleição?Joaquim Alves Heleno - Não sou louco. Conto os minutos para que meu mandato acabe, em 31 de dezembro.JT - Como analisa a sua gestão?.Joaquim Alves Heleno - Desastrosa. Comigo, o time caiu para a Segunda Divisão. Manchei meu currículo, que sempre foi de uma pessoa que fez tudo pelo seu clube. Fiquei em depressão e precisei tomar remédios. Tenho 70 anos e preciso descansar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.