Lusa vence clássico e Juninho já corre risco

Com esse time vai ser difícil o Corinthians convencer alguém de que é uma equipe competitiva. Hoje, num jogo difícil de assistir, acabou sendo superado pela frágil Portuguesa, por 1 a 0. A Lusa, sonolenta, venceu sua primeira partida no Paulista e, com isso, conseguiu dar tranqüilidade (temporária) ao técnico Dario Pereyra, que se equilibrava no cargo. Do outro lado, quem deve ter de dar explicações é Juninho Fonseca. Ele mexeu, mexeu na equipe, mas a ineficácia continuou a mesma. Logo de início, o Corinthians mostrou a que veio. Jogadas pouco incisivas, sempre pelo meio. Pela cabeça dos corintianos, dos que estavam fora e dos onze dentro de campo, devia estar passando que a qualquer momento sairia o primeiro gol - e, depois dele, o segundo, o terceiro... mas faltou futebol para isso. O Corinthians jogava a 1 quilômetro por hora; lento demais e pouco criativo. Rincón não se arriscava, tocava apenas de lado, curta distância para não se comprometer. Não era sombra daquele que os torcedores se acostumaram a ver, que ia para cima, chutava a gol. Os atacantes decepcionaram, os meias desapareceram - Samir só correu, mais nada, Rodrigo, nem isso. Régis Pitbull mal apareceu no jogo, assim como Marcelo Ramos, que se contundiu (fratura na fíbula e deu lugar a Rafael Silva logo nos minutos iniciais). Nenhum dos dois fez nada. No final do primeiro tempo, a Lusa, humildemente, arriscou-se no ataque. E se não fosse Fábio Costa, por duas vezes, teria ido com vantagem para o intervalo. Com muito boa vontade, pode-se dizer que a partida melhorou após os 15 minutos do segundo tempo. O Corinthians, desordenado, chegava mais vezes, enquanto a Lusa, letárgica, parecia dormir em campo. Mais se defendia que atacava, até que, aos 32, o atacante Lucas, como havia prometido, marcou seu gol: 1 a 0 para a Portuguesa. Fábio Costa não segurou chute de Luciano Souza e Lucas aproveitou. Daí para a frente, o Corinthians sentiu como nunca suas limitações. Juninho colocou o garoto Rosinei para aumentar a velocidade, não adiantou. Para prejudicar de vez o time, Rogério sofreu pancada no olho e saiu de campo aos 41, deixando a equipe com 10. Os corintianos então entregaram os pontos e a Lusa não ampliou sabe-se lá como. Lucas errou na cara do gol e Paulo Isidoro chutou em cima de Fábio Costa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.