Lusa vence e não escapa de protesto

Teve de tudo no triunfo da Portuguesa sobre o Vitória, por 3 a 2, hoje, no Canindé. No time ofensivo do técnico Candinho, que reencontrou o caminho das vitórias em casa, o destaque estava no banco de reservas. Após um primeiro tempo apático, onde o time errou muito e acabou deixando o gramado em desvantagem de 1 a 0 e sob vaias, Candinho resolve mudar, colocando Sandro Fonseca e Alex Afonso no lugar de Hernani e Edson Pelé, respectivamente. Os jogadores incendeiam a partida e têm participação direta no resultado. O jogo começou com o Vitória dominando e exercendo uma forte marcação, não dando espaços à Lusa. Logo aos 30 segundos, Allan Delon assusta, ao chutar raspando. O mesmo Allan Delon abriria o placar, aos 7 minutos, escorando, de cabeça, cobrança de falta. Após o susto, a Lusa, de forma desorganizada, até cria chances para empatar. Hernani e Edson perdem duas chances claras. De frente para o goleiro, em ambas as jogadas, erram o alvo. Despertam a ira da torcida, que até então apoiava o time, e começa a criticar. No intervalo, os atletas deixam o campo debaixo de vaias, com exceção do estreante Evandro, que sai ovacionado. Com os jogadores no vestiário, o alvo dos torcedores torna-se os dirigentes da Portuguesa. Pela indefinição do caso Rodrigo Fabri, que deve ser solucionado amanhã, com a ida de seu procurador Fernando César para a Espanha, o presidente Amilcar Casado, seu vice Manoel da Lupa e o diretor de futebol Ilídio Lico, foram duramente criticados. "O, O, O, queremos diretor" e "ladrão, ladrão" foram os gritos de guerra dos torcedores, que ainda prometeram que "se o Rodrigo não chegar, o pau vai quebrar". Em meio a protestos, surge a mão de Candinho. Com suas substituições no intervalo, a entrada de Sandro e Alex, a Lusa ressurge. Nos primeiros minutos, são pelo menos quatro chances claras de gol. E de tanto pressionar, a Lusa chega ao empate com participação da dupla. Alex toca para Sandro, que balança a rede, aos 13 minutos. A torcida volta a incentivar e vê Ricardo Oliveira desencantar. Após seis jogos sem marcar, o atacante faz o segundo gol em grande estilo. Recebe de Evandro, se livra do zagueiro e encobre o goleiro. A Lusa queria mais e 6 minutos depois foi a vez de Alex deixar sua marca, após concluir bela jogada individual de Ricardo, que passou por dois marcadores. Allan Delon , de cabeça, ainda descontou, aos 33 minutos. Mas o Vitória não teve mais chances para empatar. A Lusa vence e os apupos dão lugar aos aplausos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.