Luxemburgo: 'A gente sabe o que está fazendo'

Técnico diz que já sabia que o Palmeiras venceria o Guarani neste sábado

Tercio David, estadao.com.br

09 de fevereiro de 2008 | 23h39

A vitória do Palmeiras sobre o Guarani, neste sábado, por 3 a 1, estava na ponta da língua. Pelo menos na boca do técnico Vanderlei Luxemburgo, que sofreu no primeiro tempo, assim como time e a torcida palmeirense, com a falta de gols e com a sensação de 'já vi este filme'. Na última quarta-feira, o time da capital foi derrotado pelo Guaratinguetá por 3 a 0, depois de dominar boa parte do jogo.   Veja também:  Alex Mineiro marca três gols e Palmeiras volta a vencer   "A gente sabe o que está fazendo. O time esta trabalhando e só precisava ter paciência para as vitórias acontecerem", disse Luxemburgo, durante a entrevista coletiva após o jogo. "Eu sabia que o gol ia sair. Só disse para os jogadores no intervalo que era preciso apenas ter paciência para não fazer bobagem, e que a gente ia vencer."   Apesar do resultado positivo e do fim do jejum de quatro jogos sem vitória, o técnico chamou a atenção para alguns problemas da equipe, principalmente na marcação. "O resultado foi bom, mas isto não quer dizer que o time está uma maravilha. O adversário chegou duas vezes com a bola rolando e isto me preocupa um pouco."   PUXÃO DE ORELHAS  Em um lance isolado no final do jogo, Valdivia fez embaixadinhas na lateral do campo, sofreu a falta, mas o árbitro Leonardo Ferreira de Lima não marcou e, pelo contrário, repreendeu o palmeirense. A atitude, de ambos, irritou Luxemburgo.   "Vou conversar com o Valdivia e dizer para ele que tem que fazer firula dentro da área, por que aí o árbitro marca pênalti e o agressor toma cartão ou é expulso. Não adianta ficar fazendo estas coisas na lateral do campo. Aí vira provocação", alertou o treinador.   "O que também não pode acontecer é o árbitro ficar dando dura e querendo dizer ao jogador o que ele tem de fazer ou deixar de fazer. Se for falta nele, tem que marcar. Se não for, não marque. E pronto. Não pode ele [o árbitro] querer mudar o estilo do jogador", reclamou Luxemburgo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.