Luxemburgo adota 4-4-2 no Corinthians

Reforçado pelo atacante Marcelinho Carioca, que joga amparado por um efeito suspensivo, o Corinthians decide o seu futuro na Copa dos Campeões diante do Coritiba, às 21h40 desta quarta-feira, em João Pessoa. A situação do time de Wanderley Luxemburgo é dramática: depois da perder a primeira partida por 1 a 0, só uma vitória por dois gols de diferença mantém as suas chances de continuar brigando pelo direito de jogar a Libertadores de 2002. Uma vitória simples, por um gol de diferença, leva a decisão para os pênaltis.De sua parte, Luxemburgo afirma que quer ver a sua equipe jogando como se fosse uma verdadeira decisão de campeonato. "Quero um time bem mais vibrante do que no primeiro jogo". Na prática, o Corinthians vai ter que jogar muito mais do que apresentou no jogo anterior. O próprio Luxemburgo cobrou isso dos jogadores, lembrando que até o bom segundo tempo do time no sábado passado foi insuficiente para impedir a vitória paranaense. "E nós temos condições para isso, com todo respeito ao Coritiba. Basta o time acredita que pode mudar a situação".Luxemburgo também optou acabar com o esquema 3-5-2. O time mostrou-se despreparado para jogar com essa formação tática. Fora isso, não conta com um líbero versátil e muito menos com dois alas criativos. Rogério é muito pesado para executar o trabalho e ir e vir, e Kléber é inconstante, embora ofensivamente seja superior ao seu companheiro do setor direito. "Eu mesmo não gosto dessa formatação, mas no primeiro jogo a situação era outra", defende-se Luxemburgo pelo erro de avaliação na partida anterior.Para voltar ao 4-4-2 Luxemburgo sacou Fábio Luciano. Mexeu também na lateral-direita ao escalar Índio, e alterou as características do meio-de-campo ao mudar os dois volantes: adiantou André Luiz para meia, trocou Otacílio por Pereira e ainda trouxe Rogério para a cabeça de área. Com isso ele imagina que time deve melhorar o passe. "Vou liberar mais o Ricardinho, avançar o Pereira e o André Luiz. Quando o adversário marca o Marcelinho e o Ricardinho, o time fica capenga. Com o Pereira e com o Rogério vindo de trás, nossa saída de bola deve melhorar".No ataque, outra mudança importante: sem Éwerthon, que já se reapresentou à Seleção Brasileira, Wanderley Luxemburgo se viu obrigado a escalar Marcelinho Carioca como atacante - mesmo sabendo que o jogador não gosta de atuar nessa posição. "Com todas as dificuldades que o Marcelo tem para jogar mais avançado, ele é um perigo próximo da área", diz Luxemburgo.Um outro cuidado que Luxemburgo não esqueceu: treinar pênaltis. Todos os jogadores, sem exceção, trabalharam esse tipo de cobrança. Na primeira sessão o índice de aproveitamento foi muito baixo. Depois, quase todas as cobranças foram certeiras, o que deixou o treinador um pouco mais tranqüilo em relação a isso.Seja qual for o futuro do time na Copa dos Campeões, André Luiz retorna a São Paulo quinta-feira, já que o seu contrato vence no dia 30.O jogador até aceitaria continuar jogando protegido por um seguro, mas como a Hicks Muse não providenciou a apólice, André resolveu antecipar o seu retorno a São Paulo. "E ninguém pode dizer que fui antiprofissional, já que eu me coloquei à disposição para jogar com um seguro".

Agencia Estado,

26 de junho de 2001 | 18h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.