Luxemburgo afirma que Palmeiras não se abalará com goleada

Técnico acredita que equipe apresentará um bom futebol na final do Campeonato Paulista contra a Ponte Preta

Redação

01 de maio de 2008 | 09h54

A derrota do Palmeiras para o Sport Recife por 4 a 1 deixou o técnico Vanderlei Luxemburgo furioso. Além de tentar agredir um conselheiro do time pernambucano, o treinador respondeu duramente as perguntas dos jornalistas e afirmou que o time não se abalará para a final do Campeonato Paulista, neste domingo, contra a Ponte Preta.Veja também: Sport Recife goleia Palmeiras e avança na Copa do Brasil Luxemburgo tenta agredir dirigente do Sport Recife Paulistão: Cléber Abade é quem vai apitar a final Serviço: para quem vai ao Palmeiras x Ponte Preta"Nada vai mudar. O que eu posso mudar numa equipe finalista?", perguntou o treinador, nervoso. "A equipe vai jogar bem na próxima semana. O grupo sabe que nada ainda está conquistado e que precisamos nos empenhar para derrotar a Ponte Preta, que é uma grande equipe."O goleiro Marcos disse que o Palmeiras precisa jogar com vontade, do contrário corre o risco de perder a taça em casa. Luxemburgo comentou as declarações do goleiro. "Ele está certo. Sentiu que a equipe não jogou bem e falou. Eu não vou deixar vocês [imprensa] criarem factóides com isso."Luxemburgo não disse se fará mudanças para a final contra a Ponte. "Você vem falar de mudança... Isso não tem nada a ver. O que acontece é que não jogamos bem em Pernambuco. É sempre difícil enfrentar o Sport. A única coisa que temos de fazer domingo é não levar quatro gols."Como venceu a primeira partida contra a Ponte por 1 a 0, o Palmeiras pode perder por até um gol de diferença para ficar com a taça. A partida no Palestra Itália terá lotação máxima. Mais de 27 mil ingressos foram vendidos - a torcida espera comemorar o primeiro título estadual desde 1996.BOMBALuxemburgo ficou indignado com a torcida do Sport, que arremessou uma bomba na chegada do ônibus do Palmeiras em Pernambuco. "A imprensa fica agitando e nós sofremos com isso. É um ato de vandalismo, uma tremenda falta de responsabilidade. Onde já se viu num futebol profissional ter o ônibus atingido por uma bomba."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.