Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Luxemburgo critica Guardiola na TV: 'É mais marketing do que técnico'

Técnico também critica Juan Carlos Osorio e comenta trabalho de Felipão na seleção brasileira em 2002

O Estado de S. Paulo

09 Outubro 2016 | 17h15

O técnico Vanderlei Luxemburgo aumentou sua coleção de frases de efeito neste fim de semana. Poucos dias após entrar publicamente em atrito com Felipão, o ex-treinador do Tianjin Quanjian, da China, direcionou suas críticas desta vez a Pep Guardiola, atual comandante do Manchester City.

Em participação no programa Aqui com Benja!, do canal Fox Sports, Luxemburgo afirmou não considerar o espanhol o melhor treinador do mundo, e disparou. "O Guardiola é mais marketing do que técnico porque você tem o seguinte: o que é conquista? O Guardiola ganhou títulos no Barcelona. Aí vem o Luis Enrique (atual treinador) e também ganhou no Barcelona. Aí o Guardiola vai para o Bayern, se prepara, faz todo o curso, aprende idioma e não consegue realizar o mesmo trabalho. Aí o anterior tinha 70 anos (Jupp Heynckes) ganhou a tríplice coroa e o Guardiola não ganhou."

Vanderlei completou seu raciocínio explicando a razão de considerar o italiano Carlo Ancelotti, do Bayern de Munique, o melhor técnico da atualidade. "Se pegar o Ancelotti, foi campeão no Milan, Real Madrid, entendeu? São trabalhos diferentes. O Guardiola para mostrar que é o melhor vai ter que ganhar no Manchester City, Bayern, nesses lugares."

E o catalão não foi o único alvo de críticas. Luxa também questionou uma suposta diferença de tratamento que a imprensa dá aos treinadores estrangeiros em relação ao brasileiros. "Eles (imprensa) protegem muito os estrangeiros e porrada nos brasileiros. Se eu levasse uma caneta azul e vermelha para a beira do campo iam dizer que eu estava ultrapassado. Veio para cá um colombiano - Juan Carlos Osorio, ex-São Paulo e hoje na seleção do México -, que não tem muita coisa de absoluta, é um treinador normal, trouxe uma caneta azul e vermelha e acharam legal. Aí o Joel Santana com a prancheta virou folclórico. É característica de parte da imprensa de tratar nós como cachorro vira-lata e lá de fora é tudo buldogue."

Em outra parte do programa, o treinador hoje desempregado ainda falou sobre o trabalho de Felipão na Copa do Mundo de 2002, quando a seleção brasileira se sagrou pentacampeã mundial. "Me tiraram da seleção brasileira, onde eu tinha um trabalho fantástico. Veio o Leão e depois o Felipão. O Felipão foi campeão do mundo, com a qualidade dele, mas com 19 jogadores que eu tinha preparado para a reformulação para a Copa do Mundo." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.