Luxemburgo diz que empate em Recife foi justo

Treinador não se ilude com a liderança do Brasileirão e afirma que a briga pelo título nacional está aberta

Agencia Estado

28 de setembro de 2008 | 20h48

Vanderlei Luxemburgo não se ilude com a liderança finalmente alcançada, depois de quatro anos de espera. O técnico do Palmeiras prefere o discurso comedido, quando ainda restam 11 rodadas para o encerramento da temporada. Em sua avaliação, a briga pelo título está aberta, sobretudo com os resultados de final de semana.Veja também:Palmeiras empata, mas assume a ponta do Brasileirão"Temos um campeonato que larga pelo menos com 12 equipes em condições de brigar pelo título", analisou Luxemburgo, após o empate palmeirense em Recife, neste domingo, contra o Náutico, por 0 a 0. "Alguns times ficam pelo meio do caminho, tem dois cariocas na parte baixa (Vasco e Fluminense), mas ainda está aberta a disputa no topo."Por causa disso, o treinador não admite sequer pensar em favoritismo do Palmeiras, mesmo com os quatro pontos de vantagem sobre Cruzeiro, Flamengo e agora também o São Paulo. Discurso que convém para quem acaba de assumir a ponta, depois de empate com futebol sem brilho no Recife."O Roberto Fernandes é esperto", ponderou Luxemburgo, ao referir-se ao treinador do Náutico. "Ele conhece meu time, não saiu para cima, como esperávamos, e dificultou bastante. Também sabíamos que seria jogo duro e que era necessário marcar forte", admitiu o técnico do Palmeiras. "Foi um resultado justo."Luxemburgo não apelou para observações paralelas para justificar o desempenho pouco brilhante do time. Dessa forma, ficaram para escanteio o desgaste - seu time jogou no Peru no meio da semana pela Copa Sul-Americana - e o gramado irregular do Estádio dos Aflitos. "O futebol está cheio de melindres", comentou o treinador. "O campo estava ruim para os dois times. Se prejudicou um, prejudicou o outro também."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.