Luxemburgo diz que não hesitará em usar palavrões

O treinador já sentiu que alguns jogadores andavam precisando de uma cobrança extra

Juliano Costa, Jornal da Tarde

11 de janeiro de 2008 | 20h37

Vanderlei Luxemburgo avisou nesta sexta-feira que vai, sim, abusar das broncas nos jogadores durante os treinamentos. "Palavrão é normal no nosso meio e vou falar vários, mas nunca na intenção de denegrir ou ofender algum atleta", afirmou o treinador. Ele já sentiu que alguns jogadores andavam precisando de uma cobrança extra e evitou citar nomes, mas deu a entender que o meia Caio é um deles. "Trata-se de um jogador com enorme potencial, mas que precisa colocar isso pra fora." Caio Júnior, ex-técnico do Palmeiras, costumava dizer que o problema do meio-campista era "timidez em excesso". Luxemburgo discordou. "É complicado criar rótulos para jogadores. Lembro sempre que parte da imprensa chamava o Alex de ‘Alexotan’. Diziam que ele dormia em campo. Mas, na minha avaliação, ele corria para caramba." Luxa qualificou como positivo o período de nove dias de pré-temporada em Atibaia, que termina no domingo. "Foi bom para eu conhecer melhor o elenco e eles conhecerem o meu estilo." O técnico acredita que já tem um time bem montado, herança de Caio Júnior. "Vou começar o Paulistão com a equipe que brigou até o fim no Brasileirão por uma vaga na Libertadores." Ele admitiu, porém, que pode fazer mudanças na equipe que enfrenta no domingo o São Bento, em jogo-treino na Arena Barueri. No teste de quinta-feira, em Atibaia (vitória por 5 a 1 sobre a Francana), Luxemburgo escalou o Palmeiras com: Diego Cavalieri, Élder Granja, Gustavo, Dininho e Leandro; Pierre, Makelele, Martinez e Caio; Valdivia e Alex Mineiro. De todos, Luxemburgo elogiou apenas o setor ofensivo. "Gostei de ver o Valdivia jogando ao lado do Caio e do Alex, que é um grande jogador e movimenta-se muito bem." A estréia no Paulistão será na quinta-feira, contra o Sertãozinho, em Barueri, já que o gramado do Palestra Itália está em reformas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.