Cesar Greco/ Ag. Palmeiras
Cesar Greco/ Ag. Palmeiras

Luxemburgo diz que Palmeiras soube jogar a favor do vento contra o Ituano

Treinador tentou explicar o motivo de a equipe ter feito um péssimo primeiro tempo e depois evoluído na etapa final

João Prata, O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2020 | 04h30

O Palmeiras teve dois tempos distintos no duelo com o Ituano. Nos 45 minutos iniciais, o time errou muitos passes e deu só um chute a gol. Foi o oposto da etapa final, quando a equipe dominou o adversário e conseguiu os quatro gols da vitória por 4 a 0. Para o técnico Vanderlei Luxemburgo, a oscilação aconteceu por causa do vento.

"Vocês têm de ter a leitura de jogo. O jogo se apresentou para isso. Você queria que eu, contra o vento, adiantasse a linha? Eu preferi levar o jogo com segurança, sabendo que tinha mais 45 minutos para ganhar. Foi uma estratégia. No segundo tempo, fui com um time mais veloz, o vento passou a ser a meu favor. O segundo tempo foi totalmente diferente", declarou.

O treinador não mencionou que o Palmeiras iniciou mal os primeiros minutos da etapa final e marcou os dois primeiros gols graças a saídas de bola erradas do adversário. Marcos Rocha e Lucas Lima colocaram o Palmeiras em vantagem. Luxemburgo também justificou o triunfo com as mudanças que fez na etapa final. "Tirei um jogador de meio-campo, que negocia mais a bola, para botar mais velocidade, principalmente em cima do lateral-direito. Puxei o Dudu para dentro, para abrir espaço para os laterais. Tirei o Luiz Adriano porque ele vem de um futebol que joga 30 jogos por anos. Tirei para evitar qualquer tipo de problema, para prepararmos melhor. O Zé Rafael tem entrado bem como segundo volante, é muito versátil. Foi tudo muito bom no segundo tempo. Não vi o Ituano com possibilidade de fazer o gol. Mas temos de enaltecer o trabalho do Vinicius no Ituano, ele vem há dois anos", comentou Luxa.

O Palmeiras agora inicia a preparação para o clássico com o São Paulo, domingo, na Arena Fonte Luminosa, em Araraquara, pela segunda rodada do Campeonato Paulista. Luxemburgo minimizou o fato de o time não poder atuar no Allianz Parque por causa da troca do gramado. "Em 2004, fui campeão Brasileiro pelo Santos jogando oito jogos fora de casa. Você tem de estar preparado para ganhar, independentemente de onde vai jogar. Acho isso normal. A torcida vai comparecer. Nada disso me assusta, isso é bem normal."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.