Amanda Perobelli / Reuters
Amanda Perobelli / Reuters

Luxemburgo elogia Flamengo e classifica empate em casa como 'resultado normal'

Treinador admite que Palmeiras deve um futebol melhor e concorda com Felipe Melo que atraso para início da partida desconcentrou os jogadores alviverdes

Redação, Estadão Conteúdo

27 de setembro de 2020 | 21h14

O técnico Vanderlei Luxemburgo, abatido com mais um empate do Palmeiras - já são sete em 11 partidas no Campeonato Brasileiro - classificou o 1 a 1 contra o desfalcado Flamengo no estádio Allianz Parque, em São Paulo, como um "resultado normal de clássico".

Diferentemente dos torcedores, que não admitiam um tropeço em casa contra uma equipe repleta de garotos, o técnico aceitou de boa o placar, rasgou elogios para o oponente e admitiu que a sua equipe ainda deve futebol.

Luxemburgo justificou o tropeço dizendo que o Flamengo tem um elenco muito forte. "Falaram de favoritismo nosso por causa do covid-19 no Flamengo. Eles têm uma grande equipe, jogadores de alto nível, uma base forte como a do Palmeiras. Sabíamos que não seria fácil", afirmou. "Foi um jogo difícil para nós e para eles, também. Acabou um resultado normal de clássico", alegou, sem convicção.

"Tivemos algumas possibilidades, o goleiro deles, que já conhecia quando passei na Gávea e era um jovem de 14 anos, fez duas grandes defesas. Mas podíamos ter um melhor resultado se não tivéssemos sofrido o empate tão rápido. Eles teriam de sair mais e poderíamos encaixar um contra-ataque", prosseguiu.

O treinador admitiu, contudo, que o Palmeiras segue devendo um melhor futebol. "Nós estamos trabalhando forte, buscando realmente crescer, atrás de algo diferente, mas não estamos conseguindo apresentar tudo o que a gente pode".

Sobre a polêmica que cercou o jogo e a indefinição até momentos antes de a bola rolar, o comandante verde endossou as palavras de Felipe Melo de que o atraso causou desconcentração nos jogadores.

"É ruim, né? Nós ficamos na concentração desde ontem (sábado) sem saber se vai para o jogo. Chegamos aqui, tem jogo ou não? O adversário está vindo ou não? Não tem a concentração necessária. E ainda ficamos ali esperando o adversário chegar. Isso tudo mexe com os jogadores. Uma pena pois era um grande jogo e acontece tudo isso", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.