Luxemburgo elogia grupo e Tita pede demissão do Vasco

Treinador vacaíno 'abandona o barco' e afirma que alguns atletas não tem condição de jogar no clube

Redação,

18 de setembro de 2008 | 01h15

Após a vitória do Palmeiras sobre o Vasco por 3 a 0 na noite desta quarta-feira no Estádio Palestra Itália, o clima nos dois vestiários era completamente diferente. Enquanto Vanderlei Luxemburgo comemorava a classificação para as oitavas-de-final da Copa Sul-Americana, o técnico Tita pedia demissão do clube carioca.Veja também: Palmeiras vence e garante vaga nas oitavas da Sul-Americana Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão"Eu quero agradecer ao Roberto Dinamite (presidente), que foi quem me deu esta oportunidade, e só tenho que agradecer também aos jogadores, que foram profissionais. Mas nós temos atletas que não tem condição nenhuma de jogar no Vasco e eu sou obrigado a dar um passo atrás", assinalou Tita em rápida entrevista para anunciar sua saída.O treinador deixa o comando vascaíno com a equipe com o time na beira da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, em 16.° lugar. Em entrevista, Dinamite afirmou que nem o interino para o confronto de domingo contra o próprio Palmeiras pelo Brasileirão foi definido.SEM PREOCUPAÇÃOJá pelos lados do Palmeiras, Luxemburgo procurou rechaçar a hipótese de que seguir na sul-americana pode atrapalhar o desempenho palmeirense na luta pelo título do campeonato nacional."Se vai atrapalhar você não tinha nem que disputar, ela não entrou no calendário agora. Se tiver que levar 13 jogadores para Lima eu vou levar", afirmou, se referindo ao confronto contra o Sport Ancash (PER) pelas oitavas-de-final da competição continental.Após elogiar o desempenho dos jogadores do Palmeiras na partida, ele lembrou que durante a semana deu uma bronca nos jogadores que disseram que estavam priorizando o Brasileirão em detrimento da Copa Sul-Americana."As entrevistas na semana foram ruins, o cara fala que está priorizando o Brasileiro mas o clube paga para ganharmos os jogos. Eu chamei atenção e disse a eles que quem eu quem colocar em campo tem que jogar. Jogador tem que ser comandado, e não comandar", assinalou.Para Luxemburgo, é possível se manter concentrado nos dois torneios. "Nós estamos trabalhando em duas frentes, domingo é decisão e precisamos pontuar para nos mantermos vivo na disputa contra o Grêmio".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.