Alex Silva / Estadão
Alex Silva / Estadão

Luxemburgo estuda desistir de Palmeiras ofensivo por futebol 'feio de resultados'

Técnico evita associar derrotas a desfalques por convocações e diz que gostaria de armar a equipe para 'jogar bonito'

Redação, Estadão Conteúdo

11 de outubro de 2020 | 05h00

Depois de muitas cobranças no Palmeiras, Vanderlei Luxemburgo se rendeu ao futebol mais ofensivo, com três atacantes. Bastaram duas derrotas, para Botafogo e São Paulo. para ele admitir que pode abrir mão do atual esquema pela volta do "futebol feio, mas com resultados".

O treinador não está nada satisfeito em ver sua equipe exposta. Foram quatro gols sofridos nos dois últimos jogos. Ele deve sacrificar um dos homens de frente para a entrada de mais um jogador de contenção no meio.

"Eu estou chateado. O mais chateado sou eu. Mas tenho de continuar trabalhando e achar a melhor forma do time jogar", afirmou, após a derrota por 2 a 0 para o São Paulo, no Allianz Parque. "Fechadinho, buscando duas ou três escapadas, ou vulnerável?", questionou. "Isso cabe a mim. Talvez o futebol feio. Mas com resultados."

Mesmo com elenco milionário e com boas opções, o treinador passou o ano todo sofrendo para fazer o Palmeiras agradar. Até na conquista do Paulistão. E vem recebendo muitas críticas por isso. Ainda assim, pode retomar o esquema que sempre irritou o palmeirense.

"Óbvio que eu gostaria de armar a equipe como sempre fiz, jogando bonito, atacando. Mas nesse momento temos de analisar com calma, pois ainda dá tempo (de buscar o topo)", falou, já cravando que o futebol vistoso nesse momento deixou de ser o essencial.

Luxemburgo voltou a cobrar reforços e aproveitou para mandar um recado à torcida. "Não adianta ficar falando para tirar ou colocar fulano, beltrano ou sicrano. Para trocar Raphael Veiga, Lucas Lima. Quem eles pedem têm dias bons e ruins. O elenco é esse, é nossa realidade."

As duas derrotas seguidas vieram no momento em que o Palmeiras perdeu Weverton, Vina, Gomez e Gabriel Menino para as Eliminatórias. Mesmo assim, o técnico não quis associar os tropeços aos desfalques.

"Convocação faz parte e não posso responsabilizar as derrotas pelas ausências e colocar a culpa em quem ficou aqui. Fizemos um primeiro tempo igual ao São Paulo e parte do segundo. Mesmo com o placar adverso, estava equilibrado. Mas quando perdemos o Luan pela lesão, aí ficou tudo desequilibrado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.