Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Luxemburgo diz que procura um novo cobrador de faltas no elenco do Palmeiras

Técnico pede para jogadores praticarem chutes ao fim das atividades e tem avaliado o aproveitamento

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

17 de fevereiro de 2020 | 11h00

No retorno ao comando do Palmeiras, o técnico Vanderlei Luxemburgo se vê com uma missão com o elenco. Neste domingo, após a vitória por 3 a 1 sobre o Mirassol, pelo Campeonato Paulista, o treinador comentou que quer encontrar um novo cobrador exímio de faltas no time. O Palmeiras não tem esse atleta. Por isso, sempre depois de cada atividade na Academia, ele tem pedido para alguns jogadores praticarem chutes de bola parada. O fundamento era comum no passado. Não é mais.

Desde a saída do volante Marcos Assunção, em 2012, o Palmeiras não teve mais um grande batedor de faltas. O time até chegou a fazer alguns gols nas últimas temporadas dessa maneira, porém o posto de cobrador mudou muito de dono e a frequência de gols em batidas diretas caiu. No elenco atual, Lucas Lima, Bruno Henrique, Raphael Veiga e Gustavo Scarpa são os jogadores que mais gostam de praticar o fundamento.

"Hoje se proíbe treinar falta. O jogador não treina porque vai ter uma lesão de adutor, ou vai estar cansado, ou por outro motivo. O jogador tem de treinar, se não repetir, não vai pegar o jeito, a técnica", disse o técnico. O último gol de falta do Palmeiras ocorreu em maio do ano passado, com um chute de Moisés na vitória por 1 a 0 sobre o Sampaio Corrêa, pelas oitavas de final da Copa do Brasil.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Lá atrás, quando acabava o treinamento, o Zico batia sessenta faltas. Por isso tinha toda aquela precisão
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Vanderlei Luxemburgo, técnico do Palmeiras

O técnico contou que nos trabalhos diários, sempre procura incentivar os jogadores a treinar cobranças e a pedir para os goleiros colaborarem com a atividade. "Nós selecionamos cinco ou seis jogadores, que treinam escanteio e falta. Eles vão pegando o jeito de bater na bola. Isso não mata ninguém. Dez ou quinze minutos depois do treino batendo na bola não vai prejudicar", entende Luxemburgo.

O treinador do Palmeiras também prometeu realizar mais jogadas ensaiadas para surpreender os adversários. "Lá atrás, quando acabava o treinamento, o Zico batia sessenta faltas. Por isso tinha toda aquela precisão. Temos de voltar a incentivar a bater faltas", comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.