Luxemburgo minimiza peso de derrota do Flamengo

Depois de ver o Flamengo cair por 2 a 1 diante do Corinthians, de virada, na noite da última quinta-feira, no Pacaembu, Vanderlei Luxemburgo minimizou o peso da derrota que deixou a equipe carioca estacionada nos 36 pontos, na quinta posição do Campeonato Brasileiro. O técnico lembrou que o time ainda tem muitos jogos pela frente para recuperar o terreno perdido entre os primeiros colocados da competição.

AE, Agência Estado

09 de setembro de 2011 | 09h12

"Resultado normal esse de hoje (quinta). Não é normal contra Bahia ou Figueirense. Mas aqui é natural. Corinthians está na frente e aqui (no Pacaembu) é sempre difícil jogar. Então saio com a cabeça tranquila porque sei que tem muito para acontecer na competição", disse Luxemburgo, em entrevista coletiva.

Em seguida, o treinador admitiu que primeiro o Flamengo foca a conquista de uma vaga na Copa Libertadores e depois sonha em alcançar o título nacional. "Libertadores é o primeiro objetivo. Nós reformulamos o time. Estamos bem se você pensar nisso. O time lutou na parte de baixo da tabela no ano passado e este ano estamos bem adiantados. Entrar na Libertadores é o grande projeto. Levar o Flamengo para a elite do futebol sul-americano. Nosso objetivo é a Libertadores, se entrarmos como campeões, ótimo", acrescentou o comandante, lembrando que outros times do Rio também conviveram com quedas na tabela e agora estão em evolução.

"O Fluminense estava sem ganhar e todo mundo falava. Ganhou três seguidas e foi lá para cima. O Botafogo também. Então, temos que ter tranquilidade", finalizou.

O discurso do meia Ronaldinho Gaúcho, por sua vez, esteve alinhado com o do treinador após a derrota para o Corinthians. "Colecionar três derrotas (seguidas) é horrível. A gente se acostumou a ganhar aqui no Flamengo. Mas ainda tem muita coisa para acontecer no segundo turno. O que precisamos é reencontrar o caminho daquelas vitórias para voltarmos a jogar bem e nos classificarmos para a Libertadores", disse o craque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.