Luxemburgo muda em algumas peças para pegar o Botafogo

Moraes e Marcelo entram no lugar de Kleber Pereira e Domingos, suspensos; baiano volta à lateral-direita

Sanches Filho, Especial pra o Estadão

04 de outubro de 2007 | 18h12

Moraes é a única opção de Vanderlei Luxemburgo para substituir Kléber Pereira, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, no jogo contra o Botafogo-RJ, nesta sábado à noite, no Engenhão. Na defesa, Marcelo entra na vaga de Domingos, outro suspenso. Mas as mudanças não devem parar por aí. Petkovic, Pedrinho e Rodrigo Tabata disputam vaga no meio-de-campo.  Baiano cumpriu suspensão e pode retornar à lateral-direita. Como Marcos Aurélio teve atuação razoável contra o Cruzeiro, tem chance de ser mantido como titular, até porque Renatinho, que o substituiu no segundo tempo, foi reprovado pelo técnico. "Ele e Vítor Júnior entraram sonolentos no jogo."  Embora Kleber Pereira esteja há um mês sem fazer gol, a sua ausência cria um sério problema para Luxemburgo porque não há no grupo outro jogador com capacidade para prender a bola na frente e, mesmo atuando quase isolado, preocupar a defesa adversária inteira, como aconteceu diante do Vasco da Gama e contra o Cruzeiro. Moraes é apenas um garoto esforçado, que vive das glórias do gol na conquista do bi paulista.  O que compensa a perda de Kleber Pereira é que em nenhum momento neste Campeonato Brasileiro os jogadores estiveram tão motivados como agora, após a segunda vitória seguida, o terceiro lugar na classificação e a quase certeza da classificação para a Taça Libertadores. O que pode determinar a renovação de contrato de Luxemburgo e a formação de um time mais forte para a próxima temporada. Fábio Costa, um dos líderes do grupo e que mais cobra o time, disse após a vitória contra o Cruzeiro que agora o Santos está no caminho certo. "Em alguns momentos, jogamos como equipe pequena e quem pretende alguma coisa numa competição difícil como o Brasileiro precisa jogar com essa dedicação", afirmou o goleiro.  Luxemburgo explicou que o seu time reagiu no momento certo porque jamais esteve pressionado pelos resultados de momento. "Aqui não há falta de tranqüilidade porque trabalhamos com projeção de tabela." E dentro dessa projeção, o técnico convenceu os jogadores que até a derrota contra o Cruzeiro seria um resultado normal e que não comprometia a possibilidade de classificação para a Libertadores. "Empatar seria bom e ganhar foi ótimo", completou o treinador.  Pedrinho, que nem foi com o time para o Mineirão, quarta-feira à noite, em razão de uma amidalite e febre alta, está recuperado. Nesta quinta-feira à tarde, o meia participou normalmente do treinamento físico dos reservas no estádio Independência, em Belo Horizonte, e deve ficar à disposição de Luxemburgo para o jogo deste sábado. No começo da noite, a delegação santista viaja de Belo Horizonte para o Rio.

Tudo o que sabemos sobre:
Santos FC

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.