Luxemburgo não comenta saída de Alex

Ex-craques do futebol mineiro, com passagens importantes pela seleção brasileira, acompanharam a vitória do Brasil sobre a Colômbia, por 2 a 1, neste domingo, na estréia das eliminatórias sul-americanas. Ao contrário do técnico do Cruzeiro, Vanderlei Luxemburgo, que não quis fazer comentários sobre a atuação de seu comandado, o meio-campo Alex, destaque do time mineiro no Campeonato Brasileiro, os ex-jogadores discordaram da substituição feita pelo técnico Carlos Alberto Parreira, que retirou o armador, colocando o atacante Kaká, recém-contratado pelo Milan, da Itália, em seu lugar.Luxemburgo acompanhou a partida na cidade de Foz do Iguaçu, no Paraná, onde está com o Cruzeiro para um período de treinamentos, visando o Brasileiro. Para o treinador, a estréia com vitória foi importante para seleção ganhar confiança neste início de Eliminatórias. "O Brasil soube jogar na casa do adversário, com inteligência, tocando a bola e valendo-se da experiência de seus jogadores. E vencer na estréia foi importante, pois os primeiros jogos das Eliminatórias mostraram que desta vez existem mais equipes credenciadas a uma classificação, o que representa maior dificuldade na disputa para o Brasil", disse o treinador.Críticas - Porém, segundo o ex-lateral-direito Nelinho - que disputou às Copas de 1974 e a de 1978, quando marcou um gol memorável contra a Itália e garantiu o terceiro lugar para o Brasil na competição -, a seleção jogou com muita lentidão no meio-campo, principalmente, quando a bola caía nos pés do atacante Rivaldo que, segundo Nelinho, tentou jogadas individuais em excesso e não obteve sucesso. "O Brasil jogou bem, mas o Rivaldo conduziu muito a bola, comprometendo o ataque brasileiro. O Parreira foi coerente com o que ele está fazendo nos treinamentos mas, na minha opinião, o Alex não deveria ter sido substituído", disse.Para o ex-ídolo do Atlético-MG, o atacante Reinaldo, que disputou a Copa do Mundo na Argentina, em 1978, e em 31 partidas pela seleção brasileira marcou 11 gols, o Brasil não encontrou na Colômbia um adversário capaz de criar alguma dificuldade. Por isso, o técnico Parreira poderia ter sido mais ousado, mantendo o armador Alex em campo, ao lado de Kaká, já que Rivaldo não se encontra na sua melhor condição física. "Gostaria de ver o Alex, no lugar do Rivaldo, jogando ao lado do Kaká. Isso daria mais dinâmica à seleção. Tanto o Alex quanto o Rivaldo são canhotos, mas o Alex está em melhor fase", disse o ex-atacante, que ainda aproveitou para criticar o zagueiro Lúcio. "Do jeito que ele entra nos atacantes vai acabar sendo expulso, prejudicando à seleção. Na minha época, ele não ganharia uma", completou.Já o ex-volante do Cruzeiro, e tricampeão com a Seleção, em 1970, Wilson Piazza, que também disputou a Copa de 74, gostaria de ver, na próxima quarta-feira, quando o Brasil enfrenta o Equador, em Manaus, no estádio Vivaldão, uma dupla no meio-campo formada por Alex e Ronaldinho Gaúcho o que faria à seleção jogar com mais velocidade e criatividade, aproveitando à fase dos dois jogadores. "Futebol é momento. E todo mundo sabe que o Alex está num melhor momento que o Rivaldo. Com Alex, Ronaldinho Gaúcho e Kaká fica difícil segurar a seleção brasileira. Por outro lado, analisando o jogo de estréia, o Brasil jogou melhor e tem um grupo bem superior ao colombiano", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.