Luxemburgo não comparece à audiência

Como está com o Corinthians em Maceió, o técnico Wanderley Luxemburgo apresentou um atestado trabalhista para não comparecer à audiência do processo em que é acusado de falsidade ideológica e uso de documento falso, nesta segunda-feira, na 7ª Vara Criminal de Justiça Federal, no Centro. O juiz Marcello Ferreira de Souza Granado abonou a falta do treinador.Mesmo sem a presença de Luxemburgo, que foi representado pelo advogado Júlio Leitão, o juiz deu prosseguimento ao processo e tomou o depoimento de um agente da Polícia Federal, apresentado pelo Ministério Público Federal como testemunha de acusação. Granado marcou para o dia 2 de julho uma nova audiência, onde será obrigatória a presença do treinador e serão ouvidas mais duas testemunhas de acusação, dentre elas, um delegado da Polícia Federal.Pelas acusações de falsidade ideológica (Art. 299 do Código Penal) e uso de documento falso (Art. 304), Luxemburgo pode ser condenado a uma pena de até 10 anos. Por ter sido denunciado no artigo 71, o treinador, se condenado, cumprirá apenas uma das duas penas. Luxemburgo usou passaporte e documento de identidade com a data de nascimento adulterada. Nos documentos constavam a data de nascimento de 10 de maio de 1955, quando a data verdadeira é 10 de maio de 1952, como já admitiu o próprio treinador.Renata - Luxemburgo tem marcado mais um compromisso judicial nesta terça-feira no Rio de Janeiro. Está prevista uma audiência na Justiça Estadual do Rio de Janeiro. Neste processo, o treinador acusa a estudante de Direito Renata Carla Moura Alves por calúnia.

Agencia Estado,

25 de junho de 2001 | 16h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.