Luxemburgo não gosta de críticas de Marcos ao Palmeiras

Treinador se irrita com declarações do goleiro após a derrota de sábado por 3 a 0 para o Fluminense no Rio

Agencia Estado

28 de outubro de 2008 | 20h10

Como já era aguardado, o técnico Vanderlei Luxemburgo comentou nesta terça-feira as declarações polêmicas do goleiro Marcos após a derrota por 3 a 0 para o Fluminense, no último sábado. Mas o que não se esperava era a reunião que o treinador do Palmeiras teve com o elenco especialmente para comentar as palavras do capitão.Veja também: Torcida picha muro do CT do Palmeiras em protesto Della Monica não consegue reeleição no Palmeiras Coritiba dificulta negócio com atacante Keirrison Classificação e resultados do Brasileirão Vote: quem vai ficar com o título do Brasileirão? Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão Após a conversa com os jogadores, Luxemburgo tratou de deixar claro que as críticas do goleiro não agradaram ao comandante. "Essas reuniões são normais no nosso trabalho, mas desta vez fugiu da normalidade. Não gostei das declarações do Marcos, pois ele expôs todo o elenco", afirmou o treinador. "O Marcos é um líder, um jogador consagrado, e tudo o que ele fala é com sinceridade. Para ele, é natural. Mas para o futebol não é. A imprensa interpreta de um jeito e o que parece é que todo nosso trabalho está ruim", disse Luxemburgo, aproveitando também para mandar um recado à torcida. "O torcedor precisa entender que não pode colocar todo um trabalho no lixo por causa de uma derrota."O resultado negativo realmente atrapalhou o Palmeiras na briga pelo título, já que o time caiu para a quinta posição no Campeonato Brasileiro, com 55 pontos. Mas, segundo Luxemburgo, as palavras de Marcos causaram mais impacto do que a derrota, fato que o treinador tratou de esclarecer não ter abalado o relacionamento do elenco com o goleiro, ídolo e capitão. "O Marcos é uma pessoa inteligente e de muito caráter. Ele entendeu tudo o que foi dito e os jogadores conversaram e se entenderam."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.