Divulgação/Vipcomm - 1/11/2010
Divulgação/Vipcomm - 1/11/2010

Luxemburgo nega caráter decisivo de jogo do Flamengo

Treinador afirma que rubro-negro continuará em situação confortável para escapar da Série B mesmo com derrota para o Atlético-MG

AE, Agência Estado

12 de novembro de 2010 | 09h58

Apesar de o Flamengo ter hoje apenas quatro pontos a mais do que o Guarani, time que encabeça a zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, o técnico Vanderlei Luxemburgo acredita que a partida deste sábado, contra o Atlético-MG, fora de casa, não tem caráter decisivo para a equipe carioca.

O treinador aposta que, mesmo com uma possível derrota, o seu time seguirá em situação confortável em meio aos times que brigam para se livrar da queda para a Série B. Com 40 pontos, o Flamengo é o atual 13.º colocado.

"Se perdermos o jogo, ninguém vai nos alcançar, então não vamos colocar uma situação decisiva desse jeito. É lógico que é importante, mas não decisivo. Temos que fazer a projeção para os outros quatro jogos também, até o final do campeonato. Não adianta colocar uma importância nesse jogo e esquecer do resto", ressaltou o treinador, que prefere focar ambições maiores a pensar apenas no risco de rebaixamento.

"Se ganharmos vai ser muito legal, pois nos aproxima ainda mais do nosso objetivo. O importante é fazer projeções para a Sul-Americana também. Não se pode pensar apenas em rebaixamento", reforçou, em entrevista coletiva na última quinta-feira.

Luxemburgo ainda comentou o fato de que irá enfrentar o clube que o demitiu recentemente no Campeonato Brasileiro e em seguida contratou Dorival Júnior. Apesar de conhecer bem o time adversário, o comandante não vê vantagem no fato.

"É um jogo envolvendo dois grandes clubes, um confronto direto e esperamos fazer uma grande partida. O fato de eu ter treinado o Atlético não beneficia em nada. Se eu conheço os jogadores, eles também me conhecem. O Dorival já colocou a filosofia dele de trabalho lá. É outro momento, tanto no Atlético como no Flamengo", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.