Luxemburgo, o "rei" do Brasileirão?

Vanderlei Luxemburgo pode confirmar neste domingo a fama de "rei do Campeonato Brasileiro". O técnico do Santos é o maior vencedor de nacionais de toda a história, com quatro conquistas, à frente de Rubens Minelli e Ênio Andrade, que têm três. Uma simples vitória diante do Vasco aumentará ainda mais seu extenso currículo de títulos, que foi inaugurado com o Campeonato Paulista de 1990 no modesto Bragantino.Quem tem o mínimo contato com o treinador sabe que ele está orgulhoso, satisfeito, com a cabeça alta, certo de que teve papel fundamental na campanha santista. Mesmo com mudanças na equipe e com a presença de jogadores pouco badalados entre os titulares, como Leonardo, Ávalos e Fabinho, Luxemburgo conseguiu manter o Santos nas primeiras posições até a última semana de disputa. E, por isso, está valorizadíssimo - mais do que já estava em 2003, quando foi campeão mineiro, brasileiro e da Copa do Brasil pelo Cruzeiro.Seu nome, aliás, chegou a circular por alguns clubes europeus. Transferir-se para o Velho Continente é o grande objetivo no momento, mas, para isso, uma proposta precisa concretizar-se, fato que, até agora, não ocorreu. Houve apenas especulações. A pergunta que o treinador mais deverá responder após Santos x Vasco, em São José do Rio Preto, será justamente sobre negociações. Seguirá ou não na Vila Belmiro?Em Santos, poucos acreditam em sua permanência. Os dólares da MSI podem levá-lo para o Parque São Jorge. A empresa parceira do Corinthians teria lhe oferecido US$ 1,4 milhão de luvas e salário de US$ 150 mil mensais. Caso vá para o Corinthians, contudo, não poderá disputar um título de peso ainda ausente em seu currículo: o da Libertadores. É com esse argumento que a diretoria santista tentará mantê-lo no litoral. Pois cobrir a oferta da MSI é algo já descartado. Faltam conquistas internacionais na sua carreira. A única digna de destaque foi a da Copa América de 1999 pela seleção brasileira, com a qual não conseguiu repetir o bom trabalho feito na maioria dos clubes pelos quais passou - brilhou em dos mais importantes de São Paulo: Palmeiras e Corinthians, além do Santos.O treinador não precisa de dinheiro - está rico, tem imóveis espalhados pelo Brasil, carros de primeira linha, coleção de relógios -, mas, com o poder econômico da MSI, pelo menos na teoria, poderia montar um time dos sonhos e brilhar ainda mais na próxima temporada.Durante a semana, já foi bastante questionado pelos jornalistas sobre o futuro, mas preferiu fugir do tema. "Isso interessa a vocês (jornalistas), não a mim, não vou falar disso, estou preocupado com o jogo contra o Vasco." Precavido, Marcelo Teixeira, presidente do Santos, busca alternativas e já contatou Muricy Ramalho, do Internacional-RS, e Tite, que pode se despedir neste domingo do Corinthians.Luxemburgo diz ter certeza de que, não fossem os problemas surgidos durante a temporada, o time teria chegado à última rodada com muito mais tranqüilidade. Provavelmente, além de líder, já campeão. Em sua avaliação, a partida contra o Criciúma, por exemplo, há seis semanas, não terminaria empatada (1 a 1) caso Robinho estivesse em campo. "A disputa pelo título deste Brasileiro é uma das mais difíceis da minha carreira." O atacante ficou fora dos últimos seis jogos por causa do sequëstro da mãe, Marina da Silva Souza, e volta à equipe em Rio Preto.Mesmo com tantas adversidades, o técnico santista bateu mais um recorde em 2004, o de vitórias em Brasileiros. Chegou a 182 triunfos, contra 175 de Telê Santana e 155 de Carlos Alberto Silva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.