Luxemburgo: Palmeiras impõe condições

O Palmeiras continuava sonhando hoje com Oswaldo de Oliveira, mas abriu negociações com o técnico Vanderlei Luxemburgo, demitido do Corinthians na tarde de quarta-feira. O treinador foi sondado hoje por diretores do clube e para que o acordo seja fechado, além da questão salarial o treinador tem de aceitar uma condição imposta pelo Alviverde: trabalhar com a comissão técnica empregada atualmente no clube. O presidente Mustafá Contursi não abre mão de sua filosofia de contenção de gastos. Ele não aceita dispensar o preparador físico Carlos Pacheco, funcionário do Palmeiras há muitos anos, e o treinador de goleiros da seleção brasileira, Carlos Pracidelli. Os dois são considerados excelentes profissionais e demiti-los significaria gastos com a dispensa e a contratação de outros profissionais. Da comissão técnica que trabalhou com o treinador no Corinthians, um nome em especial está descartado pelo Palmeiras: Valdir Joaquim de Morais. "Valdir tem todo nosso respeito e uma história brilhante como goleiro e, depois, como preparador de goleiros, mas, hoje, como profissional, não interessaria ao Palmeiras", disse a fonte. Se voltar ao Palestra Itália, Luxemburgo sabe que as contratações de jogadores acontecerão prioritariamente à base de troca. Outra questão: no Corinthians, Luxemburgo ganhava R$ 180 mil mensais, mais que o dobro do que recebia o técnico Celso Roth (R$ 80 mil mensais), demitido no dia 29 de outubro. Segundo fontes do Palmeiras, o presidente Mustafá Contursi concordaria em pelo menos chegar próximo dos R$ 180 mil e aceitaria a contratação de um auxiliar-técnico indicado por Luxemburgo. Esses gastos, no entanto, seriam bancados pelo clube. Em princípio, a Pirelli, patrocinadora de camisa, não arcaria com parte das despesas. As negociações estão sendo conduzidas pelos diretores de Futebol Américo Faria e Sebastião Lapola. Em entrevista coletiva hoje pela manhã, Luxemburgo não confirmou negociações com o Palmeiras, mas, nas entrelinhas, deixou claro seu interesse em voltar ao Palestra Itália, onde trabalhou em duas oportunidades, entre 1993 e 1996. "Se puder, eu levo a minha comissão técnica, mas não crio patota", disse. O técnico desmentiu supostos desentendimentos com Contursi em suas passagens anteriores pelo clube. E não poupou elogios ao dirigente. "Nunca tive nenhum problema com Mustafá. Nosso relacionamento é muito bom e as discussões que tivemos eram sempre pelo lado profissional. Quando trabalhei no Palmeiras sempre fiz contrato verbal e moral e ele cumpriu tudo. Foi um dos melhores presidentes com os quais trabalhei." Os jogadores do Palmeiras estão em férias. A reapresentação está marcada para o dia 3 de janeiro. Segundo Sebastião Lapola, somente nessa data serão discutidas contratações e dispensas. Do elenco que disputou o Campeonato Brasileiro, deixaram o clube oficialmente os atacantes Fábio Júnior e Edmílson.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.