Luxemburgo pede cautela ao seu time

O técnico Wanderley Luxemburgo ainda não comemora a classificação do Corinthians para as finais da Copa do Brasil. O treinador repete o discurso que usou após a vitória sobre o Botafogo por 3 a 0, na primeira partida da final do Campeonato Paulista. Naquela ocasião, ele disse que não poderia celebrar o título por antecipação. Teve a mesma atitude após a vitória por 2 a 0 sobre a Ponte Preta, neste domingo."Eu sei que vão dizer que é outro teatro do Luxemburgo, mas não estamos mesmo com a vaga garantida. Claro que os 2 a 0 aqui nos deram uma boa vantagem, mas a Ponte pode chegar a esse resultado na segunda partida e complicar a situação??, afirmou o treinador corintiano, sufocado pelos microfones na pequena sala de imprensa sem ventilação do estádio Benedito Teixeira, em São José do Rio Preto.Luxemburgo, o goleiro Gléguer e o zagueiro Scheidt foram os únicos do Corinthians que deram entrevistas após a partida. Como não havia água no vestiário para os atletas tomarem banho, a maioria preferiu ir para o hotel sem falar com a imprensa.A organização do jogo foi precária. Apesar do grande aparato policial, um torcedor conseguiu invadir o campo durante a partida. O repórteres dos jornais da capital e da cidade sofreram com os fiscais da Federação Paulista de Futebol (FPF), que complicaram o acesso ao local das entrevistas. Um dos fiscais disse que estava recebendo ordens da assessoria direta do presidente da entidade, Eduardo José Farah, enquanto os PMs, com a "ajuda?? de cães, intimidavam qualquer atitude dos repórteres.Para o segundo jogo contra a Ponte, quarta-feira, em Presidente Prudente, Maurício é dúvida. O goleiro corintiano sentiu uma dor no músculo adutor da coxa direita e teve de ser substituído por Gléguer aos 10 minutos do segundo tempo.O médico Joaquim Grava disse que Maurício ficará em tratamento intensivo até terça-feira para depois saber se poderá jogar.Gléguer estava contente com sua atuação. Ele fez boas defesas, evitando, assim, qualquer reação do adversário. "Nunca descuidei dos treinamentos, e estou pronto para voltar ao time??, comemorou o goleiro.Scheidt disse que o gol que marcou foi resultado do entrosamento com João Carlos, tanto na defesa como nas jogadas na área do adversário. "Nós vamos sempre para o cabeceio, e desta vez o João não conseguiu pegar a bola. Eu estava atrás, esperando o rebote. Não perdi tempo para concluir a jogada??, disse o zagueiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.