Luxemburgo pode ter Magrão e Deivid

Sozinho, sem seus auxiliares Marco Teixeira e Antonio Melo, Vanderlei Luxemburgo estreou hoje como treinador do Real Madrid. Como tradicionalmente acontece no último dia do ano, e não podia deixar de ser, mesmo com treinador novo, ele viu uma partida entre casados e solteiros, na qual os seus compatriotas Ronaldo e Roberto Carlos saíram perdendo. Os comprometidos ganharam por 5 a 0. Enquanto o time de Raul goleava o de Ronaldo, a imprensa espanhola especulava sobre as novas contratações do Real. Entre os nomes citados pelo Marca, estão os de Magrão, que rejeitou um contrato com o FC Moscou, e Deivid, do Santos. Luxemburgo, que disse hoje que os direitos dos galácticos terminam onde os seus começam, dirige o treino oficial neste domingo à tarde, quando os jogadores se preparam para o jogo de quarta-feira, contra o Real Sociedad. EXPECTATIVA - A estréia de Luxemburgo foi marcada pela expectativa. Às 11 horas, muitos torcedores, a maioria adolescentes, acompanhavam os primeiros movimentos da equipe ao lado do novo treinador. O argentino Solari e o inglês Woodgate, machucados, não entraram em campo. Luxemburgo foi o primeiro a chegar à Cidade do Futebol, campo de treinamento do Real. Quinze minutos antes do início do jogo, ele já estava em campo trocando figurinhas com a equipe técnica da casa. No final do jogo, foi conversar com Roberto Carlos, que termina o ano com um desempenho regular, mas que há dois dias já se mostra mais sorridente. "Em 2005, com Luxemburgo, voltaremos a sorrir", declarava à imprensa, apostando que neste ano virão novos tempos para os galácticos. Além disso, também assegurava que "em 2005, se verá um Roberto Carlos de novo entre os melhores". O lateral brasileiro também disse que Luxemburgo vai dar poucos argumentos para críticas. Apesar disso, segundo uma enquete realizada pelo site do jornal espanhol Marca, para 52,4% dos torcedores espanhóis do Real, a escolha do novo técnico foi equivocada. Com ou sem o apoio da maioria dos torcedores, Luxemburgo se mostrou nestes dois últimos dias bastante confiante. "No futebol, tudo é possível, temos de trabalhar para que as possibilidades aumentem", afirmou, referindo-se ao Campeonato Espanhol e à diferença de 13 pontos entre sua equipe e o maior rival, o Barcelona. "Os jogadores agora têm de entender que precisam dar tudo de si para ganhar." Em conversas com o diretor do Real, Arrigo Sacchi, ele dizia acreditar nos galáticos. "A primeira impressão que tenho da equipe é muito boa", confirmava. De acordo com as declarações de ambos, não será necessário renovar o time e sim exigir mais disciplina, compromisso e ajuste tático. Para isso, Luxemburgo pensa em estabelecer sessões duplas de treinamento, com treinos pela manhã e à tarde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.