Luxemburgo: polêmica por onde passa

A saída do Corinthians reforça a imagem de Luxemburgo como um dos personagens mais polêmicos do futebol brasileiro da atualidade. Ao mesmo tempo em que se reconhece o valor de seu trabalho, há desgaste quando deixa um clube - ou principalmente a seleção brasileira. Não foram dos mais amigáveis os dois rompimentos com o Palmeiras (95 e 97), nem a dispensa do Flamengo (95), nem a troca do Santos pelo Corinthians (97). Igualmente sobraram arestas quando aceitou convite da CBF, em 98, e abandonou o Parque São Jorge pela primeira vez.Luxemburgo ganhou projeção nacional com o Palmeiras, nas temporadas de 93 e 94. Nesse período, conquistou dois títulos paulistas, dois brasileiros e um Rio-São Paulo. Antes, havia sido campeão paulista com o Bragantino (90), proeza inédita, mas que não passou do âmbito estadual.No começo de 95, aceitou oferta do Flamengo, para dirigir o time no ano do centenário. Havia pelo menos dois bons motivos para trocar o Parque Antártica pela Gávea: o clube carioca formava o "ataque dos sonhos", com Romário, Sávio e Edmundo, e o sucesso no Rio seria um salto para a seleção. A experiência terminou no meio daquele ano, depois de desentendimentos com Romário. Luxemburgo foi para o Paraná Clube até ser recuperado pelo Palmeiras novamente.Depois de ganhar o Paulista de 96, aceitou desafio de tirar o Santos da fila. Ganhou um Rio-São Paulo em 97, mas ao final da temporada foi para o Corinthians. Na época, deixou pendentes aluguéis de casa em Santos. Em 98, veio a chance na seleção. Mas a passagem terminou de forma melancólica, após eliminação nos Jogos Olímpicos de Sydney e com muitas denúncias de irregularidades em sua vida pessoal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.