Luxemburgo quer vice do Brasileirão e pode arriscar no Recife

Técnico tem a opção de repetir a ofensiva meia de vitória do sábado, com Pedrinho, Tabata e Vitor Júnior

Sanches Filho, Especial para o Estadão

30 de outubro de 2007 | 18h18

Vanderlei Luxemburgo deve repetir o Santos do segundo tempo do jogo do sábado passado na Vila Belmiro para somar mais três pontos contra o Náutico, nesta quarta-feira às 21h45, no estádio dos Aflitos, no Recife.  Além de o ataque só ter funcionado quando Marcos Aurélio e Pedrinho atuaram pelas extremas, o técnico deixou claro que agora que, já que a vaga para a Copa Libertadores de 2008 está bem encaminhada, seu objetivo é ser o vice do Campeonato Brasileiro.  Estádio lotado, pressão da torcida, condições precárias dos vestiários, nada disso assusta os santistas. A única preocupação é com o uruguaio Acosta, vice-artilheiro do Brasileiro, com 18 gols, e que interessa à maioria dos grandes clubes brasileiros para o ano que vem, inclusive ao Santos.  "É um meia-atacante de grande qualidade, com forte presença na área e que faz muitos gols. Todos nós sabemos disso e com certeza vamos ter muita atenção na sua marcação", adiantou Rodrigo Tabata, um dos muitos jogadores que saíram aplaudidos de campo no sábado, mas que ainda não sabe se vai ser titular nesta quarta. Com as ausências de Maldonado e de seu reserva imediato Adoniran - com dores no púbis nem viajou para Recife -, Adriano deve ser mantido como primeiro volante, fazendo a proteção na entrada da área, enquanto Rodrigo Souto terá um pouco mais de liberdade para sair jogando. Como Luxemburgo faz mistério quanto à escalação, as dúvidas começam pela lateral-direita. Alessandro e Baiano cumpriram suspensão na rodada passada, viajaram com a delegação e um dos dois volta ao time. Se não tivesse perdido dois volantes em poucos dias, o técnico até poderia continuar com Dionísio na posição. Embora improvisado, o garoto foi um dos destaques na vitória por 3 a 0. Pela lógica, Alessandro será o escolhido porque vinha jogando até receber o terceiro cartão amarelo contra o Figueirense. NáuticoFabiano; Onildo (Sidny, Toninho e Everaldo; Júlio César, Daniel Paulista, Elicarlos, Radamés e Geraldo; Marcelinho e AcostaTécnico: R. FernandesSantosFábio Costa; Alessandro (Baiano), Domingos, Marcelo e Kléber; Adriano, Rodrigo Souto, Petkovic (Vítor Júnior) e Pedrinho (Rodrigo Tabata); Marcos Aurélio e Kléber PereiraTécnico: Vanderlei LuxemburgoÁrbitro: Heber Roberto Lopes (PR - Fifa)Estádio: Ilha do RetiroHorário: 21h45 (de Brasília)TV: Pay-Per-Vew Dos volantes para frente, Luxemburgo tem um titular absoluto - Kléber Pereira, mesmo em má fase e há oito jogos sem fazer gol - e inúmeras opções. Se quiser um jogador acostumado ao futebol pernambucano, que se mexe muito e tem velocidade, Vítor Júnior sai na frente de Petkovic, que ainda deve uma boa atuação pelo Santos. Outro forte candidato é Rodrigo Tabata, que além de manter regularidade de produção, cobra bem faltas e tem bom aproveitamento nas finalizações.   Se escalar Petkovic, é quase certo que o outro meia seja Vítor Júnior para correr pelos dois. Porém, se Luxemburgo armar o time pelo que aconteceu na partida de sábado, jogam Pedrinho, Rodrigo Tabata e Marcos Aurélio, com os três marcando a saída de bola do adversário, voltando para compor o meio-de-campo e saindo em velocidade para servir Kléber Pereira, que ficará mais avançado.  Santos e Náutico já se enfrentaram 15 vezes pelo Campeonato Brasileiro, com absoluto equilíbrio: seis vitórias de cada um e três empates. A única vantagem santista é nos gols marcados: 19 contra 18 dos pernambucanos. Na última vez que os clubes se encontraram, dia 28 de julho, na Vila Belmiro, o Náutico ganhou por 2 a 1.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.