Luxemburgo reclama do jogo em Belém

Não satisfeito em reclamar do calor de Teresina, do estado do gramado do estádio Alberto Silva e da marcação de partidas à tarde para agradar aos interesses da Rede Globo, Vanderlei Luxemburgo escolheu um novo alvo para suas críticas. A mira do treinador do Palmeiras voltou-se contra os organizadores da Copa dos Campeões, que indicaram o Paysandu para disputar a competição em Belém, onde conta com apoio de uma torcida numerosa e fanática. Domingo, as duas equipes se enfrentam às 16 horas no estádio Olímpico, decidindo uma vaga para a final."Quem organizou a tabela deveria saber que o Paysandu manda suas partidas em Belém. A vantagem do adversário é notória, porque vai jogar em um gramado que já conhece. Agora, vamos realizar nossa primeira partida realmente fora de casa, porque em Teresina o campo era neutro para todo mundo", reclamou Luxemburgo.O treinador admitiu que o jogo será um teste de fogo para vários jovens atletas que passaram a integrar recentemente o grupo do Palmeiras. Mas citou que a pressão ficará restrita apenas aos gritos dos torcedores nas arquibancadas. "Dentro de campo serão 22 jogadores e um árbitro que vão resolver", afirmou.Para não ganhar a antipatia do povo paraense logo no primeiro dia em Belém, o técnico do Palmeiras ressaltou a força do futebol local. "Pelo fanatismo da torcida, deveria sempre ter um representante no Campeonato Brasileiro. O povo adora futebol, mas sempre vai ao estádio sem agressividade", elogiou. O próprio Luxemburgo desconhece a forma como o Paysandu atua. "Vou assistir aos jogos que realizou durante esta Copa dos Campeões para tirar minhas conclusões", confirmou. Entre os jogadores do Palmeiras, o fato de atuar no estádio do adversário também mereceu considerações. "Vai ser difícil. Já estamos há mais de 20 dias fora de casa, mas temos que superar as adversidades", disse o atacante Nenê.Nenê, no entanto, acredita que a torcida não será tão decisiva quanto se supõe. "Os torcedores passam motivação, mas só isso não é necessário. Se fosse assim, o Fluminense, que completou 100 anos no final de semana com direito a bolo, teria nos vencido", explicou.Por partir para cima dos seus marcadores, Nenê começa a ganhar alguns inimigos dentro do futebol. O lateral Arce disse nesta segunda-feira que na partida em que o Palmeiras venceu o Atlético Mineiro por 2 a 1, domingo retrasado, escutou reclamações dos adversários. "O Guilherme pediu para eu falar para o Nenê não tentar humilhar os marcadores. Mas ele não faz isso por mal, é um jogador jovem que está ajudando muito", comentou o paraguaio.A perspectiva de conquistar o título da Copa dos Campeões já faz parte do discurso do elenco palmeirense. Alguns, como o lateral Leonardo, condicionam a boa campanha à humildade que a equipe demonstrou nas quatro partidas que fez na competição. "Muitas pessoas não acreditavam em nós, mas entre os jogadores o pensamento era exatamente o contrário."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.