Daniel Teixeira/ Estadão
Daniel Teixeira/ Estadão

Luxemburgo responde a críticas de Felipão após polêmica: 'Não quis generalizar'

Ex-técnico do Tianjin Quanjian foi duramente criticado por Luiz Felipe Scolari após fortes declarações

O Estado de S. Paulo

05 Outubro 2016 | 17h55

O técnico Vanderlei Luxemburgo respondeu em sua página do Facebook às críticas recebidas do também treinador Luiz Felipe Scolari, o Felipão, em entrevista à ESPN Brasil nesta quarta-feira. Questionado por declarações dadas no programa Bem, Amigos!, do SporTV, quando sugeriu que a manipulação de resultados era frequente no futebol chinês, o ex-comandante do Tianjin Quanjian, da segunda divisão, tratou de colocar panos quentes na polêmica.

Em post na rede social (reproduzido abaixo), Luxemburgo afirmou que não teve intenção de "generalizar" suas denúncias ao futebol na China, dizendo que recebeu bom tratamento da diretoria do clube e que seu problema se restringiu a uma pessoa específica – o dirigente Li Weifeng, acusado pelo brasileiro de boicotá-lo junto ao grupo de jogadores. Vanderlei ainda negou que tenha queira prejudicar o trabalho dos brasileiros no país, tema abordado por Felipão em sua entrevista.

A polêmica começou quando Luxemburgo, ao ser questionado no programa pela sua demissão do Tianjin, disse que a manipulação de resultados ocorre com frequência no país. "Só armado. Lá é constante", disparou.

Em resposta, Felipão, que comanda o Guangzhou Evergrande na primeira divisão, foi duro. "Acho totalmente absurdas as palavras do Vanderlei, ridículas, totalmente infundadas", afirmou ele, que também vê possibilidade da repercussão prejudicar a imagem dos brasileiros no país. "Vai causar um estrago sim. As pessoas já estão falando no clube, dizem que alguns comentaristas já falam que alguns brasileiros vêm com o intuito apenas de ganhar dinheiro e não para fazer que o futebol chinês evolua."

Scolari, que vê nas declarações de Luxemburgo uma forma de justificar seu insucesso no Tianjin, afirmou ser "impossível existir manipulação de resultados" no futebol local.

Contratado em agosto de 2015, Vanderlei Luxemburgo fazia parte de um projeto milionário que visava tirar o Tianjin Quanjian da segunda divisão do Campeonato Chinês e colocá-lo na elite. Com um contrato de três anos, o técnico levou sua comissão técnica e também indicou as contratações de Luis Fabiano, Jadson e Geuvânio. Sem conseguir alcançar os resultados esperados, o treinador foi demitido após 12 jogos, com a equipe na oitava colocação. Hoje, com o italiano Fabio Cannavaro no comando, o time é o líder do torneio. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.