Luxemburgo reúne jogadores e cobra reação no Santos

Técnico dá sinais de considerar impossível uma reação de recolocar o clube na disputa do título do Brasileirão

Sanches Filho, especial para o Estadão,

30 de julho de 2007 | 20h09

Depois da derrota para o então lanterna Náutico, sábado, na Vila Belmiro, o Santos vive momentos conturbados. Na volta aos treinos, nesta segunda-feira, o técnico Vanderlei Luxemburgo reuniu os jogadores e teve uma dura conversa de 20 minutos, período em que ele gesticulou, gritou e cobrou uma reação do time. Com 18 pontos, a equipe da Baixada Santista está em 13.º lugar no Campeonato Brasileiro. E volta a jogar nesta quarta-feira, contra o Atlético Mineiro, em Belo Horizonte.Após o treino, o atacante Kléber Pereira deixou escapar parte do que ouviu na conversa com o técnico, ao responder como uma equipe que não consegue ganhar nem em casa poderá recuperar pontos atuando fora. "Nós colocamos o time nessa situação e vamos ter que tirar. Agora precisamos mostrar caráter. Temos que ver quais jogadores que podem entrar e dar a resposta em campo", disse o jogador.Vivendo o seu pior momento desde o retorno ao Santos, em janeiro de 2006, Luxemburgo dá sinais de considerar impossível uma reação capaz de recolocar o clube na disputa pelo título brasileiro de 2007. Para que isso acontecesse, segundo seus cálculos, seria necessário ganhar 18 ou 19 dos 23 jogos restantes da competição e ainda torcer por tropeços dos primeiros colocados. Na Vila Belmiro, inclusive, já surgem boatos de uma possível saída do treinador.Há um mês, o relacionamento entre Luxemburgo e o presidente do Santos, Marcelo Teixeira, está estremecido. O dirigente não gostou da decisão do técnico, sem consultá-lo, de liberar Cléber Santana do seu último dia de contrato, em 30 de junho, quando o time tinha jogo contra o Grêmio pelo Brasileirão.Depois disso, Marcelo Teixeira conversou com o presidente do Corinthians, Alberto Dualib, e acertou o empréstimo, a custo zero, de Roger, que passaria a receber o salário mensal de R$ 138 mil do Santos. Mas Luxemburgo recusou o reforço. Dias depois, o mandatário santista deu o troco, vetando a contratação do volante/lateral Rogério, quando o técnico já tinha dito que o jogador poderia ficar no Santos assim que estivesse recuperado fisicamente - o atleta acabou acertando com o Santo André.Marcelo Teixeira estaria irritado com Luxemburgo não só pela fraca campanha do time no Brasileirão, mas também pelas cobranças públicas por reforços, alegando que com o grupo atual o Santos corre o risco de ter que brigar para não cair para a Série B. Há alguns dias, o treinador declarou que não se vê no Santos em 2008. Enquanto isso, Marcelo Teixeira já teria confidenciado a alguns conselheiros que na próxima temporada pretende trabalhar com um técnico que custe menos ao clube e valorize mais jogadores formados na base.O jogo de quarta-feira à noite, no Mineirão, pode ser considerado fundamental para Luxemburgo. Não apenas por ser contra o time do seu desafeto Leão, mas também por ser a grande chance de o Santos se recuperar no Brasileirão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.